A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Junho de 2017

13/02/2012 13:46

Sindicato lamenta assassinato de jornalista na fronteira com o Paraguai

Fernando da Mata

Paulo Rocaro foi executado a tiros na noite de domingo (12), em Ponta Porã

Em nota, o Sinjorgran (Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados) lamentou a assassinato do jornalista e escritor Paulo Roberto Cardoso Rodrigues, 51 anos, mais conhecido como Paulo Rocaro. Ele foi executado a tiros por volta das 23 horas de domingo (12), em Ponta Porã.

A presidente da entidade, Karine Segatto, destacou na nota que “mesmo que a motivação do crime ainda esteja sendo investigada pelos órgãos de segurança, a violência contra a pessoa pode estar relacionada à atividade profissional, tendo em vista que Rocaro foi presidente do Clube de Imprensa da cidade e era editor-chefe do Jornal da Praça e do site Mercosul News”.

Há 31 anos na área jornalística, Rocaro entrou em 1985 no Jornal da Praça e criou o site Mercosul News há aproximadamente cinco anos.

De acordo com a nota, em 8 de novembro de 2011, o jornalista concedeu entrevista para um acadêmico e relatou por escrito sobre as dificuldades e as vantagens de trabalhar com jornalismo na região de fronteira.

“O jornalismo é uma profissão de risco na fronteira. Contudo, a violência contra profissionais de Imprensa é maior por parte de autoridades e marginais brasileiros do que paraguaios. [...] A segurança de um jornalista na fronteira Brasil-Paraguai está numa linha muito fina e frágil do trinômio razão-verdade-responsabilidade. [...]”

Em outro registro de seu pronunciamento, na entrevista que concedeu em 2007 para a tese de conclusão de doutorado do professor da UFMS, Marcelo Cancio, Rocaro denunciou a violência contra jornalistas.

“A gente tem na região de fronteira muitos líderes, seja no submundo do crime, seja no setor empresarial, na política, cuja mentalidade ainda é do interior é do coronelismo, do emprego da força física, da coação moral, das perseguições políticas e os profissionais de imprensa estão sujeitos a tudo isso. Uma matéria que não é do agrado de um político, de um narcotraficante ou de um pistoleiro fatalmente o profissional de imprensa vai responder por aquilo. [...] Enquanto nos grandes centros você publica uma matéria e a pessoa afetada procura a justiça, move ações, aciona a empresa ou o profissional, aqui não tem isso. Aqui o camarada ofendido pergunta quem fez esta matéria? Aí vai direto ao jornalista, seja para ameaçar, seja para pedir um reparo ou direito de resposta.”

Fetems - A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul também divulgou moção de pesar sobre a morte de Rocaro.

Segundo a nota da entidade, a entidade é solidária a dor dos familiares, amigos e companheiros de luta.

“Esperamos que os órgãos de justiça investiguem o caso e que os culpados paguem pelo crime que comentaram. É indignante saber que por lutar em defesa da liberdade de imprensa, denunciando a verdade diariamente através dos meios de comunicação, um profissional como Rocaro tenha perdido a sua vida”, relatou a Fetems.

Jovem é atingida por tiros após discussão com homem em bar
Mulher de 20 anos ficou gravemente ferida ao ser atingida por dois tiros disparados por um homem que ainda não foi identificado. O crime aconteceu po...
Oficial da polícia reage a roubo no meio da rua e mata assaltante a tiros
Danilo Araújo Montania, 22, morreu ao ser atingido por tiros disparados por um homem que ele tentava roubar. O caso aconteceu na noite de ontem (25),...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions