A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

25/10/2018 08:21

Juiz determina multa de R$ 4 milhões por atraso em demarcação de terra

O magistrado aponta risco à integridade física e à vida, pois os conflitos, muitas vezes, terminam de forma violenta.

Aline dos Santos
Índios esperam há quase 30 anos por fim de demarcação. (Foto: Divulgação/MPF)Índios esperam há quase 30 anos por fim de demarcação. (Foto: Divulgação/MPF)

Atraso na demarcação de terra indígena em Japorã, a 487 km de Campo Grande, resultou em multa de R$ 4 milhões para a União e a Funai (Fundação Nacional do Índio). A condenação por danos morais coletivos foi determinada pelo juiz federal substituto Bruno Barbosa Stamm, da 1ª Vara Federal de Naviraí.

A decisão também manda que o processo de demarcação seja concluído no prazo de um ano, sob pena de multa diária de R$ 3 mil. Os valores deverão ser revertidos para fundo federal de reconstituição dos interesses dos indígenas.

A ação civil é do MPF (Ministério Público Federal), cujo pedido inicial era de multa de R$ 43 milhões. Conforme o processo, os guarani-ñandeva sofreram processo de aldeamento compulsório pelo Estado Brasileiro, sendo obrigados a segregar-se em local distintos daqueles onde tradicionalmente estabeleciam morada.

Desta forma, o “local atualmente denominado como aldeia Porto Lindo, na verdade, ficaria a alguns quilômetros de distância – em tese, da área demarcada pelo Serviço de Proteção do Índio (SPI) correspondente a Jakarey, os quais fazem parte de um espaço territorial amplo, denominado Yvy Katu”.

Para o magistrado, a demora na demarcação da terra indígena Yvy Katu tem gerado diversos prejuízos de ordem extrapatrimonial ao grupo dos guaranis-ñandeva, pois os indígenas estão impedidos “de usufruir de modo pleno de seu tekoha e, em consequência, de viver de forma plena seu modo de ser”. Para ele, também há risco à integridade física e à vida dos indígenas, já que os conflitos, muitas vezes, terminam de forma violenta.

“Ao indígena não basta a simples posse de terras, mas sim a posse das terras por eles tradicionalmente ocupadas, uma vez que sua cultura, seu modo de ser, está umbilicalmente conexo a ela. Estes locais, chamados de tekoha, não se referem apenas ao espaço geográfico, mas sim a todos os elementos históricos, políticos e religiosos intrínsecos a área, tornando-a o local ideal e necessário para seu desenvolvimento sociocultural, conforme reconhecido, inclusive, pela Constituição Federal”, explicou o juiz federal.

A partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, havia prazo de cinco anos para a conclusão da demarcação de terras indígenas pela União. Mas somente em 2001 a Funai formou grupo técnico para identificar e delimitar a terra indígena Yvy Katu.

Entretanto, não consta no processo notícias de sua conclusão, tendo a efetivação da ocupação da área e sua demarcação sido objeto de diversos conflitos e processos judiciais.

Supremo rejeita recurso contra ampliação de aldeia de MS
O STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitou os embargos de declaração apresentados por um produtor rural de Mato Grosso do Sul nos autos de mandado de ...
Para Fábio Trad, ação do MPF comprova solução pacífica para conflito no campo
O deputado federal, Fábio Trad (PMDB) acredita em solução pacífica depois da ação do Ministério Público Federal (MPF) em bloquear R$ 20 milhões da Un...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions