A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

30/05/2014 18:00

Juiz sequestra 7 aviões e 6 fazendas e condena traficantes a 47 anos de prisão

Edivaldo Bitencourt

O juiz da 3ª Vara Federal, Odilon de Oliveira, condenou, em sentença de 30 de abril deste ano, oito traficantes da região de Ponta Porã a penas de até 47 anos de prisão em regime fechado e determinou o sequestro de sete aviões, seis fazendas no Brasil e no Paraguai, casas, apartamentos e recursos disponibilizados em conta corrente.

É um dos maiores golpes no crime organizado na fronteira do Brasil com o Paraguai. A quadrilha foi flagrada com duas grandes cargas de cocaína, de 492 e 488 quilos.

A maior sentença é do empresário e suposto chefe da organização criminosa, Jorge Rafaat Toumani, que foi condenado a penas que somam 47 anos de reclusão em regime fechado e ao pagamento de multa no valor de R$ 403,8 mil. Seu irmão, Joseph Rafaat Toumani, deverá cumprir pena de 15 anos de prisão e pagar R$ 83,2 mil em multa.

A segunda maior pena será cumprida por Luiz Carlos da Rocha, que poderá ficar 34 anos e sete meses atrás das grades e pagar multa de R$ 288 mil. Também foram condenados Carlos Roberto da Silva (19 anos e 4 meses e multa de R$ 112,2 mil), Nélio Alves de Oliveira (21 anos e 8 meses e R$ 122,8 mil), Eduardo Charbel (12 anos e 4 meses e R$ 52,8 mil), Vandeir da Silva Domingos (16 anos e 8 meses e R$ 80,1 mil) e Ronaldo Adriano Cardoso de Oliveira (11 anos e 7 meses e R$ 48 mil).

Oliveira também determinou o bloqueio dos bens da quadrilha, que incluem sete aeronaves e seis fazendas distribuídas nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Paraná e até no Paraguai. Também foram seqüestrados lanchas, automóveis de luxo, apartamentos e casas em Campo Grande, Londrina e Ponta Porã.

Na sentença, o magistrado determina ainda a prisão de Luiz Carlos da Rocha.

Outro golpe - O outro golpe no crime organizado foi a Operação Suçuarana, da Polícia Federal, que prendeu 10 pessoas ontem em Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Entre os seis presos está o presidente da Agência de Habitação de Ponta Porã, Leonardo Derzi Resende.

Segundo o superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Sandro Luciano Caron, a quadrilha usava uma transportadora de Dourados para enviar de 100 a 200 quilos de cocaína para quatro estados: Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Em um ano, o grupo mandou 1,1 mil quilos de cocaína e três toneladas de maconha. 

 

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions