ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  21    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Laudo pode indiciar policial civil por disparo em festa

Por Redação | 16/06/2010 17:36

O investigador Pedro Wlademir de Andrea, lotado na Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) pode ser indiciado por disparo de arma de fogo em público, depois que o laudo da perícia constatar que as cápsulas encontradas no local são de armas de uso da Polícia Civil.

Os disparos são anteriores ao fato ocorrido em 4 de junho, quando Guilherme Henrique Santana de Andrea, filho de Pedro, matou com um tiro o estudante de Direito Ítalo Marcelo de Brito Nogueira, de 27 anos, durante uma festa de família na Vila Piratininga.

Segundo o delegado adjunto do 5° DP, Devair Aparecido Francisco, Pedro poderá responder por disparos ocorridos antes do tiro que matou Ítalo.

"Estamos esperando o laudo para poder indiciá-lo", confirmou. Na data da ocorrência, Pedro estava com uma viatura descaracterizada da Polícia Civil, que servia para fazer o som da festa.

Além disso, o carro tinha armas de calibres diferentes, de uso das autoridades policiais. Em seu primeiro depoimento, Guilherme argumentou que foi buscar a espingarda de calibre 12, quando tentou desviar de um abraço de Ítalo, quando o disparo ocorreu.

Um processo sobre a conduta de Pedro Wlademir está em curso na Corregedoria da Polícia Civil, por conta da "omissão de cautela".

Sobre a investigação do disparo provocado por Guilherme que matou Ítalo, o delegado comentou que a maioria das testemunhas defendeu que o tiro foi acidental. No episódio do disparo feito por seu filho, o investigador do Denar aparece no processo apenas como testemunha.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário