A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

23/01/2010 10:35

Lixo em erosão aumenta riscos no período de chuva

Redação

Há dez meses, a erosão castiga moradores do Jardim Montevidéu, localizado na saída para Cuiabá, em Campo Grande. O local virou lixão e com a chegada do período de chuvas aumentam os riscos à população.

A Defesa Civil alerta para a possível formação de uma nova cratera no bairro Taquaral Bosque, em Campo Grande, próximo à erosão da rua Getulina, que obrigou 10 famílias a deixarem a área no ano passado.

O chefe da Divisão de Apoio às Ações da Defesa Civil, Sebastião Octávio Rayol, explica que a água da chuva agrava assoreamento da região. Ele aponta que é uma questão de tempo para que nova cratera seja formada no local.

"Antes nós tínhamos só 10 casas para cuidar, agora nós vamos ter 60", afirma Rayol, em relação à vala que se abre em direção a um conjunto habitacional.

Já o engenheiro da empresa Náuticos Engenharia, Carlos Fuginaka, assegura que a erosão no local está controlado.

Ele explica que foi hoje ao local para supervisionar a obra de asfalto, nas Ruas Padônia e Coata.

Segundo Fuginaka, o projeto feito pela prefeitura prevê a ligação da área ao anel viário, como uma espécie de parque linear.

As obras no local deveriam ter sido concluídas antes do mês de janeiro, no entanto, devido à chuva, houve adiamento do cronograma de trabalhos.

"Se não chover mais, até segunda ou terça-feira, o asfalto desta rua está pronto", estima o engenheiro.

Outro problema que agrava a situação no Jardim Montevidéu está relacionado ao acúmulo de água nos lixos e entulhos, situação que favorece a proliferação de mosquitos da dengue.

Rosinéia Vitorino, 31 anos, mora em frente do local da erosão. Ela está preocupada com a doença no bairro e revela conhecer dois vizinhos com dengue.

"Se vai virar um parque, e vai demorar, a prefeitura deveria dar uma limpeza", reclama.

Moradores constantemente flagram carroceiros jogar entulhos no local.

No entanto Zaira Silveira Ferreira, 74 anos, pede atenção durantes o trabalho contra a dengue."Os agentes de saúde olham nosso quintal para ver se está tudo limpo, mas o lixo mesmo está ali", diz em relação aos entulhos.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions