ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Mãe revê filho, mas conflito sobre igreja expõe feridas

Redação | 13/05/2010 17:33

Seis horas após começar um protesto, se acorrentar ao portão da sede da Igreja Universal do Reino de Deus e pedir pela volta do filho, Sueli Ferreira de Moura reencontrou o adolescente. Porém, o clima não é de harmonia. O jovem, apático, apenas pede para a mãe voltar para a casa, enquanto a mulher sustenta que ficará acorrentada por até uma semana.

Mãe e filho discutem. Ela acusa a Igreja Universal de ter feito lavagem cerebral e explorado o jovem, impedindo que ele tenha uma vida normal. Ele afirma que tinha uma vida desregrada, usava drogas e se prostituía e que a igreja foi sua tábua de salvação.

O adolescente saiu da escola Joaquim Murtinho às 17h30. Uma advogada que não quis se identificar, apontada como representante da Igreja Universal do Reino de Deus, o buscou. Antes de entrar no veículo o jovem foi recomendado a não falar nada para a imprensa. Apesar de querer se expressar, a mulher impediu qualquer manifestação do jovem.

Acompanhado da mulher, uma amiga e uma equipe de reportagem, foram levados até a sede da Igreja. O jovem só chegou a ter contato com a mãe depois de se reunir com uma advogada durante alguns minutos. Ao ver a mãe, o filho pediu para que ela voltasse para casa. Sueli, ao encontrar o filho, foi dura.

"Você está destruindo sua família. Sua avó está em uma cama deitada. Você tem que voltar a ser quem era, senão vou entrar nessa Igreja, arrebentar com tudo e fazer uma desgraça", exclamava a mãe. O jovem retrucou, dizendo que antes de entrar na igreja se drogava com um tio na casa da avó, que mora em Recife e se prostituía. Sueli jura a todos que o garoto nunca colocou um copo de bebida na boca, dando a entender que o filho utiliza um discurso pronto. Todo o bate boca é acompanhado pela equipe de TV que buscou o adolescente na escola e expõe feridas.

Mais calma, a mãe disse que nunca pediu para o jovem sair da igreja, mas que não vivesse sendo explorado, dando tudo o que era dele e da família para pastores. "O evangelho não diz que você tem que se submeter desta forma", diz a mãe sensibilizada. O jovem não responde. E as mágoas permanecem.

Enquanto conversa com a mãe, o jovem recebeu em todos os instantes orientações da advogada. Em uma das vezes em que ela falou, ameaçou a mãe. Disse que o Conselho Tutelar foi chamado e que levará o filho para um abrigo. Em seguida disse para o garoto ficar ao lado da mãe assim que os conselheiros chegarem, para caracterizar humilhação.

Decidida, Sueli afirma que prefere o filho em um abrigo a vê-lo na Igreja Universal e que só sairá dali assim que a avó do garoto, que mora em Recife, chegar a Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias