A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

20/01/2014 07:08

Maioria dos leitores é contra criação do Vale dos Orixás

Francisco Júnior

Enquete da semana passada perguntou aos leitores do Campo Grande News o que eles achavam da polemica criação do Vale dos Orixás.

A maioria esmagadora se posicionou contra a essa iniciativa prevista no orçamento de Campo Grande. Do total, 89% votou contra a criação, enquanto que 11% se posicionou a favor.

A Câmara de Campo Grande aprovou a criação do vale. O valor aprovado para construção do Vale dos Orixás de R$ 500.000,00 deve ser publicado no Diogrande juntamente com Orçamento para 2014 ainda em janeiro.

O projeto foi aprovado no final do ano passado, a pedido da Federação de Cultos Afro-brasileiros e Ameríndios de Mato Grosso do Sul (Fecams), com o intuito de criar um espaço democrático as praticas dos cultos afro-brasileiros e ameríndios em Campo Grande. A proposta foi assinada pela vereadora Luiza Ribeiro (PPS).

A nova enquete já está no ar. Participe.



O problema maior nesse caso é uma atitude chamada hipocrisia! A praça do "Papa" foi construída como uma forma de homenagem a quem? Aos cristãos que não foi, pois os evangélicos não veneram imagens! Um local descabido, que abrange uma parcela da população somente! Se não é um "templo católico", qual a justificativa das imagens de todos os papas e uma "escultura" bizarra que deve ter custado uns bons "milhares de reais". Os "papas" representam somente a religião católica! Mas como o "Vale dos Orixás" representaria uma "minoria", não pode ser feito! Afinal, onde está a laicidade do nosso país? Somente no papel? As pessoas deveriam deixar de ser hipócritas e entenderem de uma vez por todas que o Brasil possui uma diversidade grande e que isso tem que ser, pelo menos, respeitado!
 
Ricardo Boretti em 20/01/2014 20:41:36
Lamento que pense dessa forma, de achar que a posição é de "coitados"... e antes de levantar a questão, uso público e aberto ao público (para mim é a mesma coisa) ambos não determinam o indivíduo que irá utilizar... e voltando ao fato do senhor achar que estão utilizando a posição de "coitados", é lamentável que pense dessa forma tão pequena e não consiga ver que a questão do uso será público é uma área comum a todos como outra qualquer, o diferencial é que quem é da religião que homenageia orixás terá um local para fazer isso sem constranger outras pessoas de outra religião... mas nada impedirá a mim ou ao senhor ou qualquer outro cidadão de ter o usufruto do local pois ele é PÚBLICO...
 
Jucilene Saraiba em 20/01/2014 17:23:39
Lamento que pense dessa forma, de achar que a posição é de "coitados"... e antes de levantar a questão, uso público e aberto ao público (para mim é a mesma coisa) ambos não determinam o indivíduo que irá utilizar... e voltando ao fato do senhor achar que estão utilizando a posição de "coitados", é lamentável que pense dessa forma tão pequena e não consiga ver que a questão do uso será público é uma área comum a todos como outra qualquer, o diferencial é que quem é da religião que homenageia orixás terá um local para fazer isso sem constranger outras pessoas de outra religião... mas nada impedirá a mim ou ao senhor ou qualquer outro cidadão de ter o usufruto do local pois ele é PÚBLICO...
 
Jucilene Saraiba em 20/01/2014 17:20:36
Lamento que pense dessa forma, de achar que a posição é de "coitados"... e antes de levantar a questão, uso público e aberto ao público (para mim é a mesma coisa) ambos não determinam o indivíduo que irá utilizar... e voltando ao fato do senhor achar que estão utilizando a posição de "coitados", é lamentável que pense dessa forma tão pequena e não consiga ver que a questão do uso será público é uma área comum a todos como outra qualquer, o diferencial é que quem é da religião que homenageia orixás terá um local para fazer isso sem constranger outras pessoas de outra religião... mas nada impedirá a mim ou ao senhor ou qualquer outro cidadão de ter o usufruto do local pois ele é PÚBLICO...
 
Jucilene Saraiba em 20/01/2014 17:19:16
Reitero meu profundo respeito a todas as religiões, a começar pelas afro brasileiras que, de fato, foram durante séculos estigmatizadas, perseguidas e vitimas de preconceitos. Mas não confundamos "abertura ao público" de uso público. As igrejas também são abertas ao público, porém não é admitida a celebração de outro rito senão daquela religião à qual pertence o templo. O Vale, mesmo vindo a ser aberto ao público, disporá de um objetivo específico de uma religião: local de culto. A cultura afro brasileira, na qual me incluo, é maior do que qualquer preconceito da qual é vítima. Podemos ser autosuficientes em afirmar nossa cultura, por meio de estratégias mais eficazes. Não aceito nossa condição de "coitados", que precisa da tutela do Estado. Afinal, somos a maioria da população do país.
 
João Pereira em 20/01/2014 11:29:00
Senhor João Pereira, e quem disse que seria um espaço que não teria abertura ao público? Não existe nada de diferente entre a Praça do Papa e o Vale dos Orixás, pelo contrário, assim como as pessoas vão para conhecer o patrimônio e as imagens dos Papas que existiram durante os séculos e que mostram uma história do catolicismo, nada impede das pessoas conhecerem mais uma cultura brasileira que há tempos é vista com maus olhos, e concordo com Fernando E.F.Marques, que se criem mais espaços para que as pessoas conheçam as religiões de um país laico como o nosso...
 
Jucilene Saraiba em 20/01/2014 10:33:39
Senhor João Pereira, e quem disse que seria um espaço que não teria abertura ao público? Não existe nada de diferente entre a Praça do Papa e o Vale dos Orixás, pelo contrário, assim como as pessoas vão para conhecer o patrimônio e as imagens dos Papas que existiram durante os séculos e que mostram uma história do catolicismo, nada impede das pessoas conhecerem mais uma cultura brasileira que há tempos é vista com maus olhos, e concordo com Fernando E.F.Marques, que se criem mais espaços para que as pessoas conheçam as religiões de um país laico como o nosso...
 
Jucilene Saraiba em 20/01/2014 10:28:21
Lamento não ser entendido o significado deste espaço para a nossa Sociedade.
Infelizmente as Religiões Afrodescendentes não tem recebido os INCENTIVOS QUE HOJE GOZAM TODAS AS DEMAIS RELIGIÕES, QUE NÃO PAGAM IMPOSTOS, NÃO PAGAM ÁGUA E LUZ E SÃO AGRACIADAS COM TANTOS OUTROS BENEFÍCIOS.
As Religiões Afro descendentes além de não receberem estes INCENTIVOS são perseguidas e injuriadas.
Hoje existe A Secretaria de Direitos Humanos, com status de Ministério, ligada diretamente a Presidencia da República, entre os seus papéis é trabalhada a questão "DIVERSIDADE RELIGIOSA E DIREITOS HUMANOS".
Portanto é Papel dos Governos garantirem recursos que PROMOVAM a manutenção dos espaços onde se assegurem o PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL de nossa CULTURA.
 
ANTONIO LINO em 20/01/2014 09:44:46
Prezado Fernando,
Tenho muito respeito por todas as formas de crença. No entanto, há uma grande diferença entre a Praça do Papa e o Vale dos Orixás. A primeira é um espaço público, de usufruto coletivo, não é um espaço religioso ou de culto. Só tem esse nome como uma forma de homenagear João paulo II, que celebrou uma missa naquele mesmo lugar, em 1991. O Vale dos Orixás, no entanto, será um espaço religioso, destinado a cultos de religiões de matriz africana e ameríndia. As religiões devem financiar com seus próprios recursos seus locais de culto. Seria impensável se outras religiões também solicitassem recursos públicos para construírem seus templos. Imagine se católicos e evangélicos seguissem o mesmo caminho? Isto não questão de sectarismo ou preconceito, mas apenas de bom senso.
 
João Pereira em 20/01/2014 09:19:36
Seria no mínimo bom senso, respeitar as opiniões e as crenças, já que a CF de 88 preserva esse direito de todos os brasileiros; outra, foi gasto uma verdadeira fortuna com a chamada praça do PAPA; porque não se haveria de beneficiar uma fé que tão importante com os cultos afros? Creio que, o alto grau de repúdio a esta proposta, não tem a ver com economia do dinheiro público e sim com um sentimento de sactarismo religioso, ou puro preconceito mesmo. Que se construam a praça do papa, o vale dos orixás, a montanha das religiões orientais, a réplica do muro das lamentações dos judeus e da CAABA e tantos outros ,quantos forem demandados; de modo que continuemos a ter um país livre e não fundamentalista.
 
Fernando E.F. Marques em 20/01/2014 08:31:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions