A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

18/01/2010 17:06

MPE investiga restrição indevida de crédito na Capital

Redação

A prática de repassar a um banco de dados a quantidade de consultas feitas aos nomes e CPFs de consumidores motivou a instauração de inquérito da 43ª Promotoria de Justiça do Consumidor contra a Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) e Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) por lesão ao interesse dos consumidores.

Segundo o Promotor de Justiça Luiz Eduardo Lemos de Almeida, o inquérito visa apurar denúncias de que consumidores sejam impedidos de efetuarem compras a prazo ou ainda aprovação de crédito não por terem restrições cadastrais (nome do SPC e/ou Serasa), mas por terem sido realizadas mais de uma consulta no Serviço de Proteção ao Crédito.

As consultas realizadas ao nome dos consumidores alimentam o banco de dados do Serviço de Proteção ao Crédito, disponibilizado integralmente aos fornecedores filiados sempre que solicitado, podendo causar de forma indevida e ilegal a restrição ao crédito. Esse tipo de impedimento, se comprovado for, é ilegal e causa constrangimento ao consumidor que tem o pagamento de suas compras em dia.

A Associação Comercial de Campo Grande informou que só falará sobre o assunto amanhã.

Justiça do Trabalho faz acordos de R$ 6,5 milhões no Estado
A Justiça do Trabalho teve 355 acordos que somaram R$ 6.512.934,87 durante a Semana da Conciliação em Mato Grosso do Sul. Na iniciativa, realizada en...
Ministério da Saúde suspende incentivos da atenção básica em MS
O Ministério da Saúde suspendeu, nesta sexta-feira (15), repasse extra à atenção básica para sete municípios de Mato Grosso do Sul. Isso porque eles ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions