A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

30/05/2012 16:23

MPF denuncia ex-chefe do Incra e 66 assentados por crime ambiental

Viviane Oliveira

Eles são acusados de desmatar e queimar mata nativa sem autorização ambiental, além de instalar inúmeros fornos para a produção de carvão

Fornos para a produção de carvão. (Foto: divulgação) Fornos para a produção de carvão. (Foto: divulgação)

O MPF (Ministério Público Federal) denunciou o ex-superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Mato Grosso do Sul, Luiz Carlos Bonelli, além de 66 trabalhadores rurais do projeto de assentamento Teijin, em Nova Andradina, cidade distante 300 quilômetros de Campo Grande.

Eles são acusados de desmatar e queimar mata nativa sem autorização ambiental, além de instalar inúmeros fornos para a produção de carvão. O crime prevê reclusão de dois a quatro anos e multa.

Investigação do MPF apurou que assentados extraiam madeira de reserva legal sem licença ambiental, para produção de carvão. Segundo o órgão, Luiz Carlos Bonelli foi conivente com as condutas ilegais dos assentados e omisso, pois não tomou nenhuma medida efetiva para conter ou sanar a destruição ao meio ambiente.

De acordo com o relatório do Ibama, encaminhado ao MPF, muitas famílias de assentados praticavam irregularidades contra o meio ambiente com autorização de funcionários do Incra.

Os crimes foram cometidos no período de 2006 a 2008 e só foram interrompidos após recomendação do MPF para que o Ibama notificasse e interditasse as atividades de supressão de vegetação nativa e a instalação de fornos para a produção de carvão vegetal.

O MPF constatou que Luiz Carlos Bonelli autorizou verbalmente o ingresso de cerca de 800 famílias no assentamento, mesmo sem o prévio cadastramento de pessoas e licitação para as atividades de demarcação e criação de lotes para o manejo correto das famílias.

Foram identificados 348 lotes onde houve desmatamentos. Cento e dezesseis desses lotes estavam na área de reserva legal do assentamento. Nestas áreas foram desmatados 405 hectares e instalados 166 fornos para produção de carvão vegetal. O desmatamento variava entre 20% e 100% da área total de cada lote.

Laudos técnicos anexados ao processo compravam o desmate em corte raso de 1.018 hectares de cerrado, sendo que, deste total, 730 hectares desflorestados no interior das áreas de reserva legal, o que equivale a 71,7% do desmatamento total.

O Campo Grande News tentou falar com o ex-superindentente, sem sucesso.



Assentamento deveria ser, para quem tem compromisso e que realmente viva lá, tirando seu sustento, cuidando da terra, produzindo, mas infelizmente a maioria dos assentados,nem pensão nisto.
 
MIRTES LOURENÇO CAMILO CAMILO em 30/05/2012 08:49:55
Aí vêm uma presidenta aprova um Código Florestal beneficiando apenas os pequenos proprietários por considera-los pobres coitados, esta aí a prova do que acontece na grande maioria dos assentamentos de todo o país!
 
Leandro Nascimento em 30/05/2012 06:32:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions