A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

06/01/2013 11:05

MS tem 30% dos presos trabalhando; mais do que a média nacional

Dados são de junho de 2012, os últimos divulgados pelo Ministério da Justiça

Nadyenka Castro
Internos da Colônia Penal Agroindustrial da Gameleira na produção de cadeiras. (Foto: Simão Nogueira)Internos da Colônia Penal Agroindustrial da Gameleira na produção de cadeiras. (Foto: Simão Nogueira)

Mato Grosso do Sul tem mais presos trabalhando do que a média nacional. É o que aponta levantamento de junho de 2012, o último divulgado pelo Ministério da Justiça sobre o sistema prisional brasileiro.

De acordo com os dados, há no Estado 12.216 detentos, destes, 3.668 trabalham. A média de presos trabalhando é de 30%, enquanto, a nacional, conforme a Agência Brasil, é de 20%.

De acordo com o levantamento, são 3.113 detentos do sexo masculino em atividade laboral. Destes, 746 em atividade externa – sendo a maioria no serviço público - e os demais em serviço interno.

Entre as 555 mulheres presas que trabalham, 84 são em atividade fora dos presídios – maioria em parceria com a iniciativa privada - e 471 dentro das unidades penais.

Um dos presídios do Estado com detentos trabalhando é o Centro Penal Agroindustrial da Gameleira. Na unidade penal há oficinas para conserto de macas do Hospital Regional, de portão de elevação, pré-moldados de cimento e confecção de cadeiras de fio, containeres, carteira escolar e cozinha industrial. 

Nacional – Segundo reportagem da Agência Brasil, o Rio de Janeiro é a unidade da Federação com o mais baixo índice de detentos exercendo atividades de laborterapia (capacitação que envolve atividade produtiva) e trabalho em todo o País.

De acordo com os dados, o Rio de Janeiro tem apenas 2% de seus 33,6 mil detentos com alguma ocupação (ou seja, 676). A força de trabalho dos sistemas penitenciários de estados como São Paulo e Minas Gerais representa, respectivamente, 25% e 22% do total de presos.

Além do Rio, apenas cinco estados brasileiros têm menos de 10% de seus presos executando alguma atividade laboral: Pará (8%), Paraíba (8%), Acre (6%), Rio Grande do Norte (5%) e Ceará (3%).

 





É uma vergonha mesmo! Um Estado de pequeno porte poderia, se priorizasse a ressocialização dos apenados, encaminhar muito mais que 30% para o trabalho. Preciso esclarecer, outrossim, que muitos que trabalham já estão no semiaberto, ou seja, só podem sair do Estabelecimento Penal - que não é Presídio - justamente para trabalhar ou estudar.. Outra coisa: o fato de gerar oportunidade de trabalho ao preso serve, justamente, para buscar diminuir a reincidência penal e, no fim das contas, quem ganha com isso não é só o apenado mas toda a sociedade
 
Adriano Barros em 07/01/2013 10:28:41
Nosso estado é motivo de orgulho, pois está dando uma segunda chance a muitos que nunca tiveram chance. Parabéns MS!
 
Julio Martini em 06/01/2013 16:22:33
Somente 30% , o correto seria 100% ou ficar sem nenhum direito(água, comida, luz, banho de sol, visitas, redução de pena, saídas benefíciadas,etc...), o cara que apronta tem de assumir as consequências, pagar pelo crime(se matou por vontade, tem morrer). No Brasil os criminosos mataram mais que muitas guerras e morreram menos que 5% das vítimas ou seja estamos dando mais valor ao criminoso que ao cidadão de bem! Vergonha, uma pessoa que pratica o bem não possa viver eo criminoso que só traz a desgraça e prejuízos fique vivo e praticando seus atos ilegais, o governo brasileiro trata melhor seu bandidos que os cidadãos de bem, veja só os bandidos na política!
 
Alexandre de Souza em 06/01/2013 12:27:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions