A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

12/06/2012 17:05

MS teve maior redução do trabalho infanto-juvenil no Centro-Oeste

Nicholas Vasconcelos

Mato Grosso do Sul teve a maior redução no número de crianças e adolescentes que trabalham na região Centro-Oeste, apontam os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados nesta terça-feira (12).

Segundo os dados do Censo 2010, 50.369 trabalhadores tinham entre 10 e 17 anos enquanto em 2000 esse número era de 55.314, uma redução de 4.945 crianças e adolescentes retirados do trabalho irregular.

No mesmo período, no vizinho Mato Grosso o número de crianças e adolescentes que trabalham diminuiu 3.760. Já Goiás teve um aumento de 1.548 e o Distrito Federal de 6.789.

O número, que a primeira vista, parece bastante elevado, não significa que há tudo isso de crianças e adolescentes trabalhando irregularmente. É que ele inclui, também, os adolescentes autorizados a trabalhar, como os que t em a partir de 16 anos.

Na faixa etária dos que podem trabalhar foram encontrados 31.548, enquanto da faixa entre 10 e 15 anos foram 20.974 em MS.

De acordo com o IBGE, Campo Grande tem 14.006 trabalhadores com menos de 18 anos em 2010 e em 2000 eram 13.025. A diferença aponta um índice de crescimento de pouco mais de 6%.

Dourados vem em seguida com 3.641 trabalhadores entre 10 e 17 anos, na pesquisa anterior eram 3.866. Na segunda maior cidade do Estado houve diminuição de 5,82%.

No aumento do número de crianças e adolescentes que trabalham o maior índice é de Sidrolândia, com crescimento de 45,6%. Em 2010 foram 1.124 e na pesquisa anterior, 772.

Em segundo lugar do ranking do IBGE ficou Ponta Porã, com 2.277 flagrantes em 2010, contra 1.693 dez anos antes. Foram 584 crianças e adolescentes trabalhadores, crescimento foi de 34,49%.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


É bom e ruim. Crianças de 10, 12 anos trabalhavam, domesticas, baba, os garotos ajudavam os pais, vizinhos, tios, etc...ruim era o abandono escolar, alguns eram explorados. Essa situação o gov. tá controlado. Mas um número absurdo de crianças, se prostituindo, sendo adotadas por traficantes, cometendo crimes e fora da Escola. Essa situação o governo não consegue controlar. Falta bom senso.
 
maria vieira em 13/06/2012 09:17:06
Eu trabalho e estudo desde os 13 anos e agradeco a Deus por isso. E melhor trabalhar do que ficar vagabundando na rua, usando drogas, bebidas etc. Trabalhar nao faz mal a adolecente. O que faz mal e ficar sem fazer nada. Nao sei com que cabeca as autoridades estavam quando criaram essa lei probindo o trabalho dos jovens. Acho que querem formar legioes de vagabundos que nem na escola vao. Absurdo.
 
JOSE PEREIRA FILHO em 12/06/2012 11:56:38
O trabalho é um dos valores mais dignos que existem.. O trabalho digno deveria ser ensinados as crianças aos jovens pois dessa forma não haveria tantos marginais, tantas crianças jogadas por esse mundo de meu Deus, cheirando cola, usando crak e drogas em geral, e pior de tudo se prostituindo para viverem, isso as autoridades e o Estado brasileiro não veem q é pior que o trabalho..
 
carlos lima em 12/06/2012 11:13:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions