ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Na contramão do nacional, MS registra queda na mortalidade materna

Brasil reiterou a meta de redução da mortes de mulheres entre a gestação e o puerpério em 50% nos próximos 12 anos

Danielle Valentim | 15/08/2018 10:11
Morte materna é qualquer óbito que acontece durante a gestação, parto ou até 42 dias após o parto. (Foto: Alcides Neto/Arquivo/Campo Grande News)
Morte materna é qualquer óbito que acontece durante a gestação, parto ou até 42 dias após o parto. (Foto: Alcides Neto/Arquivo/Campo Grande News)

O Brasil não cumpriu o pacto internacional com a ONU (Organização das Nações Unidas) para a redução de 75% das mortes maternas até 2015, e registrou aumento da ocorrência em 2016. No entanto, na contramão dos dados nacionais, Mato Grosso do Sul registrou queda nos óbitos.

A morte materna é qualquer óbito que acontece durante a gestação, parto ou até 42 dias após o parto, desde que decorrente de causa relacionada ou agravada pela gravidez.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 28 mulheres morreram em 2016, sendo seis óbitos em Campo Grande e três em Corumbá, cidades com mais registros. No ano anterior, foram 31 óbitos, sendo sete deles em Campo Grande e quatro em Corumbá, os dois municípios com mais mortes.

Tanto em 2015 como em 2016, a maior parte das vítimas tinha entre 20 e 39 anos. O ano de 2016 foi o último ano com dados oficiais consolidados.

Compromisso - Em 2000, o país fez pacto para baixar em 75% as mortes maternas até 2015 dentro dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, fixados pela ONU com apoio de 191 países.

Em maio deste ano, o Brasil reiterou a meta de redução da mortalidade materna em 50% nos próximos 12 anos, chegando a 30 mortes por 100 mil nascidos vivos em 2030 —o plano original era chegar a 2030 com 20 mortes por 100 mil.

Nos siga no Google Notícias