A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

10/09/2012 13:01

No dia que lei entra em vigor, caminhoneiros prometem paralisação em todo país

Luciana Brazil e Paula Vitorino
Caminhoneiros protestam contra aplicação da medida. (Foto:Minamar Júnior)Caminhoneiros protestam contra aplicação da medida. (Foto:Minamar Júnior)

Amanhã, quando entra em vigor a lei que regulamenta a profissão dos caminhoneiros, a categoria fará um protesto nacional contra a legislação que, segundo os próprios motoristas, não oferece condições de ser aplicada de forma satisfatória.

A expectativa é que grande parte dos caminhoneiros participe da paralisação em todo país, de acordo com o relações públicas do Sindicargas MS (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Cargas do Estado de Mato Grosso do Sul), Roberto Sinai.

A lei 12.619 determina o tempo limite de horas trabalhadas e promete multar o motorista que descumprir a legislação.

Pela nova lei, a carga máxima de trabalho passa a ser 8 horas, sendo permitido até 2 horas extras, o que somaria 10 horas de serviço no máximo. Além da carga horária de trabalho, a legislação obriga que a cada 4 horas na estrada, o motorista descanse 30 minutos.

“Nós somos a favor da lei, mas contra a aplicação da medida, já que na prática ela não prevê formas satisfatórias de resolver o problema”, explica Sinai.

Segundo Sinai, a lei valoriza o motorista, mas não possibilita aos caminhoneiros cumpri-lá. “Onde o caminhoneiro vai parar? Nos postos de gasolina, que são propriedades particulares, os motoristas que consomem no posto, que são clientes do local, acabam tendo prioridade para estacionar no pátio. Além disso, esses lugares não têm estrutura”, destacou Roberto.

Muitos motoristas, segundo Sinai, começam a se arriscar nas estradas, estacionando nas rodovias e se expondo a situações de perigo por falta de local apropriado. “O Estado não pensou que para cumprir a lei temos que ter condições para isso”.

O chefe do núcleo de acidentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Antônio Santana, diz que Governo e a categoria estão em negociação.

Ele explica que até definição federal a fiscalização será realizada normalmente nos postos da PRF, mas que deve ser intensificada em operações, que ainda não tem data.

“O efetivo é um problema nosso e de outras categorias, mas existindo a lei vamos cumprir da melhor forma e fazer as fiscalizações”.

Ele ainda destaca que a lei deve provocar a queda no número de acidentes, já que muitos são causados por causa do cansaço dos motoristas.

Greve dos caminhoneiros é suspensa após acordo com o governo federal
A greve dos caminhoneiros foi suspensa hoje (31) após negociação entre governo federal e representantes da categoria. O presidente do Movimento União...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


é sabido por todos nos que muitos caminhoneiros toma ribit ou usa outro tipo de droga, poderia ter uma campanha mostrando a eles o perigo , fazendo um trabalho social, pq isso tbem pode causar acidentes, so que sao pais se nao trabalhar com o salario que se ofereçe é pra passar fome, empresas reveja seus conceitos e valorize seus profissionais. eles tem familias como voces empresarios, pense ?
 
ivanilde silva em 11/09/2012 12:15:00
é uma pena lei no brasil é para os pobres......motorista de caminhão nem sempre é proprietario , mais é eles que fica na punidade, nao é o caminhao q transita a 160/180 km por hora , vc percorre as brs
so se ve carro de passeio batidos ou que cometeu alguma irregularidade, mais é mais facil atacar quem nao´pode se defender por ser um simples motorista.
 
ivanilde silva em 11/09/2012 12:12:00
1º:os acidentes Provocados por caminhoneiros são menos que os de carros de passeio, 2º: ira facilitar bastante para serem assaltados qdo forem cumprir essa lei parando em qualquer lugar, 3º:Policia rodoviaria não vai estar em todo lugar para guarda-los,quem vai ganhar com isso?
 
Lucas da Silva em 11/09/2012 09:17:12
tomara que funcione de verdade que não fique só no papel ,e que não seje para ser mas uma opição para as multas
 
joserene siqueira em 11/09/2012 08:16:00
Gilmar Arantes, é realmente motoristas de carros não tomam rebite, mas andam a 160Km/h, e isso é tão perigoso ou até pior do que tomar o rebite. Se um motorista de caminhão causa um acidente o motorista é um monstro, agora se é um carro, foi só um acidente. A lei da forma que está não vai dar certo, o governo quer cobrar mas não quer dar condições para que isso ocorra.
 
Sérgio Ferreira Martins em 10/09/2012 10:18:16
Lei complexa, realmente foi mal elaborada. A vossa excelentíssima presidenta deve ter sido caminhoneira ou ao menos deve ter passado meses, anos viajando de caminhão nas belas estradas brasileiras para sentir na pele a real condição dos caminhoneiros, e,colocar em vigor essa lei, acho que antes de criar uma nova lei deveria cumprir as já existentes, o que não é o caso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
eder lima em 10/09/2012 08:08:22
Cara Thiago Souza primeiro que o número de feriados não se compara aos 7 dias da semana que os caminhoneiros trafegam nas rodovias, segundo esse CANSAÇO varia muito da provisão do viajante, terceiro não conheço nenhuma pessoa que vai viajar e toma o famoso "rebite" para viajar.... e quarto q português hein heheheh
 
Gilmar Arantes em 10/09/2012 03:39:33
mas um pouco o problema seo os carros pequenos tbem, pois no feriado, depis de uma trabalhar o dia inteiro muitos saem a noite para viajar e nao perderem o feriado. Dirigir carro pequeno nao da sono e nem cansasso no motorista. deveriam ver isso tbem. pois na estrada a lei teria que ser igual....para todos os motorista.
 
thiago souza em 10/09/2012 01:54:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions