A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

14/11/2013 23:01

Novas regras exigem equipamentos e infraestrutura mínimos em postos de saúde

Vinícius Squinelo

Unidades de saúde públicas e particulares passam a ter novas regras de fiscalização, a partir de normas publicadas pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) no dia 12 de novembro, no Diário Oficial da União.

Os novos padrões afetam a fiscalização de ambulatórios e consultórios médicos, públicos e privados, de todo o País. O descumprimento dos itens elencados nas vistorias em consultórios e ambulatórios gerará cobrança de soluções junto aos gestores de saúde. O CFM também pode realizar a interdição médica, após a vistoria, fechando o local.

Os hospitais também terão de se adaptar à Resolução 2.056/13 quanto ao registro do prontuário do paciente. Nele, deverá constar a anamnese, folhas de prescrição e de evolução exclusiva para médicos e enfermeiros, e, também, para os demais profissionais de saúde que intervenham na assistência. As evoluções e prescrições de rotina devem ser feitas pelo médico assistente pelo menos uma vez ao dia.

Os serviços médicos públicos, privados e filantrópicos têm o prazo de seis meses para se adaptar às novas regras estabelecidas pelo CFM. De acordo com a advogada especializada em Direito da Saúde, Giovanna Trad Cavalcanti, as novas regras aumentam a segurança ao atendimento do cidadão: “As novas regras fortalecem a fiscalização segura do exercício da medicina e em razão dos deveres impostos às instituições de saúde, a sociedade ganhará segurança e respaldo em sua assistência”.

Os estabelecimentos serão divididos em três grupos, o primeiro onde são realizadas apenas consultas; o segundo com procedimentos sem anestesia local e sem sedação e o terceiro, com procedimentos invasivos.

Dos consultórios e serviços do Grupo Um serão exigidos, por exemplo, equipamentos básicos como tensiômetro, estetoscópio, termômetro, maca, lençóis, pia, cadeiras para o médico e uma para o paciente e acompanhante entre outras exigências.

Já para os do Grupo Dois, onde se executam procedimentos sem anestesia local e sem sedação, como o consultório de um cardiologista que faz apenas eletrocardiogramas, serão exigidos, além do que está listado no consultório básico, os equipamentos próprios necessários para os exames específicos.

Nos estabelecimentos do Grupo 3, que realize, por exemplo, teste ergométrico ou faça procedimento com anestesia local ou sedações leves, os fiscais devem averiguar se há os instrumentos que assegurem a aplicação de forma segura e, em havendo complicação tenha a sua mão equipamentos de socorro à vida.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions