A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/01/2009 16:32

Novos radares já multaram 617 motoristas, em 45 dias

Redação

Os novos radares instalados em Campo Grande flagraram em 45 dias mais de 600 motoristas abusando da velocidade. Instalados em vias consideradas violentas, os oito equipamentos podem render em menos de 2 meses R$ 57.8 mil à prefeitura e significar ao bolso do infrator prejuízo de mais de R$ 574.61 de uma só vez.

Esse é o valor da multa mais alta aplicada a quem é pego dirigindo em velocidade 50% acima da permitida. No caso da Via Parque, por exemplo, onde o limite é de 60 km por hora, pagará essa quantia quem marcar mais de 80 km/h no velocímetro.

Os números foram repassados pelo novo diretor da Agetran (Agência de Transporte e Trânsito), Rudel Trindade. Segundo ele, em dezembro os equipamentos fizeram 544 flagrantes, a maioria por abuso de até 20% acima da velocidade permitida. Nos primeiros quinze dias de janeiro, o número foi proporcionalmente bem menor, com 72 multas.

Os radares emitiram no total 527 multas a motoristas que excederam o limite em até 20%; outras 85 aos que ultrapassaram a velocidade entre 20% e 50%; e 4 por excesso acima de 50%. Respectivamente, os valores para o infrator são R$ 85.12, R$ 127.68 e R$ 574.61.

Mesmo com as notificações chegando aos proprietários dos veículos, as más notícias no trânsito não diminuíram na capital, pelo contrário. No mês passado, o número de mortes quase triplicou em relação a dezembro de 2007, com 11 vítimas em 2008 e 4 no ano anterior.

Para Rudel, nos locais onde os equipamentos começaram a funcionar, a realidade mudou. "Na Via Parque, por exemplo, não houve mais morte por excesso de velocidade", lembra.

Já a mudança no restante da cidade, para o diretor da Agetran, depende de muito mais. "Estamos enfrentando uma epidemia no País inteiro, que são os acidente como moto. Reverter isso é mais complexo, um desafio", justifica.

Ele garante que as ações não param na instalação dos radares e cobrança das multas. "Estamos avaliando cada local e se for preciso vamos mudando os locais de cada radar, alternando entre as vias", explica.

Outra atitude, adotada nos últimos tempos, é prestar atenção a todos acidentes que acontecem na cidade, garante Rudel. "Sempre que sei de algum acidente, mando um técnico até o local, para ver se é preciso alguma mudança ou reforço na sinalização", diz.

Sobre o radar itinerante, que foi usado pela Agetran nas regiões mais movimentadas no final do ano passado, Rudel informou que o aparelho foi apenas "testado" e não está mais nas ruas de Campo Grande;

STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...
UFGD oferece vagas em 36 cursos de graduação pelo Sisu
A UFGD (Universidade da Grande Dourados) está ofertando 944 vagas em 36 cursos de graduação para o Sisu (Sistema de Seleção Unificada). As inscrições...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions