A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

20/07/2009 18:50

Oficial da PM mandou pegar 48 caça-níqueis em SP

Redação

O oficial da PM (Polícia Militar) Paulo Roberto Teixeira Xavier, apontado como o segundo no organograma da quadrilha chefiada pelo major da reserva da PM, Sérgio Roberto de Carvalho, mandou um funcionário dele buscar 48 caça-níqueis em São Paulo.

Em depoimento à Auditoria Militar nesta segunda-feira, um homem que trabalhava como motorista na Transportadora Bem-te-vi, que está em nome da esposa de Xavier, disse que uma vez pegou em São Paulo gabinetes de computador, envoltos com madeira.

Ele contou que recebeu de Xavier a ordem de ir ao local. No endereço indicado pelo policial, que fica em um beco, encontrou com Carvalho.

Segundo a testemunhas, Carvalho estava em um veículo Audi, colocou alguns gabinetes no carro e também deu a ele R$ 200 para pernoitar e fazer refeições na cidade.

O motorista chegou com o carregamento em Campo Grande à noite e na manhã do dia seguinte, seguiu para Corumbá. Foram para a cidade que fica a 426 quilômetros da Capital, dois caminhões.

Os veículos eram acompanhados por um Astra, com três homens dentro. Eles chegaram a ser parados em postos de fiscalização da PRF (Polícia Rodoviária Federal), mas os policiais não fiscalizaram as cargas, somente as documentações dos veículos.

Ao chegar em Corumbá, ficou parado com o caminhão, junto com o outro motorista, perto da fronteira, aguardando autorização para entrada na Bolívia.

Impostos - O motorista contou ainda que para não passar pela fiscalização tributária com cargas referentes à cerâmica Bem-te-vi, era orientado por Xavier a não vir para o Estado por Selvíria, e sim por Três Lagoas.

Segundo ele, o oficial dizia que era para parar em um posto de combustíveis, aguardar os fiscais saírem da pista, e só então seguir viagem.

Em uma das voltas de viagens para São Paulo, o motorista veio por Selvíria e acabou barrado no posto de fiscalização. Ele não pode entrar no Estado, levou uma bronca de Xavier e teve que seguir por Três Lagoas.

Segundo ele, a orientação era de que se desse algum problema quanto às notas dos produtos, era para ligar para Xavier. Conforme a testemunha, o oficial sempre resolvia a situação, mas não sabe como.

A testemunha foi uma das oito ouvidas nesta segunda-feira. Algumas disseram que não conhecem Xavier, outras declararam terem sido ameaçadas por ele, terem sido mantidas em cárcere privado e ainda contaram que o oficial pegava dinheiro e placas de caça-níqueis e ainda obrigava a mentir à Polícia Civil.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions