A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

15/07/2015 16:06

Para atender grupo de elite e presídios, Agepen fará concurso com 500 vagas

Ricardo Campos Jr.
Grupo especial continuará nas atividades normais, mas poderá ser acionado em caso de crises (Foto: divulgação)Grupo especial continuará nas atividades normais, mas poderá ser acionado em caso de crises (Foto: divulgação)

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Priosional) pretende abrir 500 vagas em concurso público para viabilizar abertura de novos presídios, suprir parte do déficit de pessoal e ajudar na criação da equipe de gerenciamento de crises. O diretor-presidente do órgão, Ailton Stropa Garcia, afirma que o edital deve ser publicado “o mais rápido possível”.

“Vamos procurar fazer processos seletivos sempre. Esse seria mais emergencial”, explica o gestor. Em outubro começará o treinamento de 70 servidores que irão compor o “grupo de elite” para agir em intervenções rápidas a rebeliões.

A ideia é que, no futuro, com novos incrementos no quadro de funcionários, esse núcleo seja independente das atividades de rotina nos presídios, tenha espaço próprio e fique à disposição exclusivamente para momentos de crise. Por enquanto, os funcionários continuarão com suas jornadas normais de trabalho e plantões podendo ser chamados em casos de tumulto.

Apoio – Atualmente a PM (Polícia Militar) é responsável por realizar escoltas de presos, acompanhar vistorias nas celas e ajudar a controlar os motins dos detentos. O diretor-presidente da Agepen esclarece que o apoio da corporação é fundamental e sempre continuará a existir.

“O grupo não substitui o Choque e jamais vamos deixar de ter o apoio da PM, pois em uma crise muito grande, quando a equipe de contenção não é suficiente, podemos solicitar a presença dos militares”, pontua Garcia.

Projeto – A criação do “esquadrão de elite” da Agepen dá início a uma série de iniciativas para aumentar a presença do órgão no sistema prisional. Conforme o diretor-presidente do órgão, à medida que novas seleções sejam feitas será possível destinar servidores para outras atividades hoje desempenhadas pela polícia, por exemplo, escolta de presos e vigilância. Assim, os militares poderiam voltar para as ruas e ajudar diretamente a população no combate ao crime.

“Nós temos estratégias para facilitar nosso trabalho com o passar do tempo. Vamos diminuir as escoltas instalando, em convênio com o Tribunal de Justiça, sistema para que os presos sejam ouvidos por teleconferências”, explica Garcia.

“Como vamos ter mais homens para realizar esse trabalho, no futuro, realiza-se o sonho de deixar a Agepen cuidar dos presos em todas as suas necessidades”, completa.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions