ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
NOVEMBRO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 32º

Cidades

Para ter filho de volta, mãe se acorrenta na Universal

Redação | 13/05/2010 13:36

Revoltada com a vida que o filho passou a ter depois de ingressar na Igreja Universal do Reino de Deus, a mãe de um adolescente de 17 anos resolveu protestar.

Sueli Ferreira de Moura quer o filho de volta. Acorrentada ao portão principal da sede da Igreja Universal do Reino de Deus, na avenida Mato Grosso, ela argumenta que o rapaz sofreu influências da igreja para parar de estudar, trabalhar e ter uma vida normal.

"Quero meu filho de volta. Só saio daqui quando fizerem justiça, quando deixarem meu filho livre para fazer o que quiser", grita a mãe, desesperada, na entrada da Igreja Universal do Reino de Deus.

Alguns seguranças do local se aproximaram, mas não interviram no caso. A mãe afirma que se der um passo para dentro será espancada, como já foi, garante. No ano passado, ela diz que tentou conversar com o pastor, mas foi retirada da Igreja e responde a processo por perturbação da ordem.

A angústia de Sueli começou há três anos. Segundo ela o filho jogava bola no parque Belmar Fidalgo quando um pastor chamado João se aproximou e disse que o garoto jogava bem, convidando-o a participar do time da Igreja.

"Uma semana depois ele já não jogava e não fazia mais nada", comenta.

Segundo a mãe, a rotina do rapaz é acordar às 5 horas, sair para vender salgado para uma fiel da Igreja Universal, voltar para a casa às 13 horas e muitas vezes sair para a escola sem comer em função de jejuns.

Da escola ele segue para a Universal, de onde volta somente às 23 horas, diz.

"Ele vive para a Igreja. Não estuda direito, não trabalha para ele mesmo. Não dá dinheiro em casa. Eu já pedi para libertarem meu filho, mas não sou ouvida. E quando peço para ele dar um tempo, diz que eu tenho o demônio no corpo", desabafa a mãe, que tem outros 3 filhos.

Aparelho - Segundo ela, o garoto já foi, inclusive "promovido" na estrutura da Universal e hoje opera um aparelho que se chama psicoscópio, "que vê se alguém tem o demônio, mas acho que é mesmo para ver quem tem dinheiro", comenta a mãe.

Pensionista do INSS, Sueli, aparentemente, não demonstra transtorno mental e tem segurança no que fala. Ela permanece acorrentada ao portão da Igreja à espera do filho.

A reportagem do Campo Grande News tentou falar com a administração da Igreja Universal do Reino de Deus, mas foi informada de que não havia no momento pastores responsáveis pelo templo.

A Polícia Militar foi chamada pelos pastores e tenta negociar a saída.

Nos siga no Google Notícias