A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

04/11/2010 22:11

Parque da Serra da Bodoquena começa a ser implementado

Redação

A administração dos mais de 76 mil hectares de terra que compõem o PNSB (Parque Nacional da Serra da Bodoquena) já está sendo debatida. Na última semana, foi instituído em Mato Grosso do Sul o Conselho Consultivo do parque, que une órgãos públicos, proprietários rurais e sociedade civil para a efetivação da primeira unidade de conservação integral federal do estado.

O MPF/MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul), representado pelo procurador da República Emerson Kalif Siqueira, integra o Conselho Consultivo como membro titular. Para ele, dar seguimento à efetivação do parque é prioridade.

Emerson explica que o parque foi criado há dez anos e até hoje apenas 17% de suas áreas tiveram a transferência de domínio para a União efetivadas (regularização fundiária). Por isso, segundo ele, é preciso dar seguimento à implementação da unidade de conservação.

Das 47 propriedades rurais que compõem o Parque Nacional, nove já foram adquiridas pela União, totalizando 13.584,66 hectares. Há ainda 20 processos em andamento no ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) para fins de regularização fundiária, sendo que a metade deles está parada por documentação incompleta.

A próxima reunião do Conselho Consultivo foi agendada para 7 de dezembro no município de Jardim.

Abrangência - O Parque Nacional da Serra da Bodoquena abrange os municípios de Bonito, Bodoquena, Jardim e Porto Murtinho e é o único parque nacional situado exclusivamente em território sul-mato-grossense. Localizado no cerrado, ele possui influências do Pantanal, do Chaco e da Mata Atlântica.

O PNSB protege uma área de transição importante e rara no Brasil e engloba a cabeceira de rios regionalmente valiosos, como o Salobra, Perdido, Formoso e da Prata, cujas águas vertem para rios federais. A peculiaridade da região é representada também por uma fauna exuberante.

Segundo AER (Avaliação Ecológica Rápida), realizada pelo ICMBio, é possível encontrar na região onças, veados, tatus, catetos, macacos-prego, gato-palheiro, cachorro-vinagre, entre outros mamíferos. Foram registradas, ainda, quase 400 espécies de aves, duas novas espécies de peixes e espécies raras de répteis e anfíbios.

Na região há também indícios da existência de grandes sistemas de cavernas inundadas e resquícios de fósseis de 12 a 20 mil anos, que conviveram com seres humanos na última glaciação. (Com informações da assessoria).

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions