A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

12/01/2016 15:28

Poder público gasta R$ 204 mil por mês com aluguéis de prédios desocupados

São R$ 194 mil somente com o espaço onde funcionava o Centro Pediátrico, mais R$ 10,5 mil para futura central do Vale Renda

Mayara Bueno
Prédio que abrigava Cemp; local está fechado desde outubro. (Foto: Marcos Ermínio)Prédio que abrigava Cemp; local está fechado desde outubro. (Foto: Marcos Ermínio)

Governo estadual e Prefeitura de Campo Grande gastam pelo menos R$ 204,6 mil com locação de prédios que, atualmente, não são ocupados pelo poder público. É o caso do local que vai abrigar a nova sede de atendimento dos beneficiários do programa Vale Renda, pela Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Assistência Social), e o que abrigou o Cempe (Centro Pediátrico Municipal), por parte do Executivo Municipal.

No caso do prédio alugado pelo governo, localizado na Avenida Ernesto Geisel, o Executivo Estadual paga, desde julho passado, R$ 10,5 mil, ao mês, ou seja, R$ 52,5 mil, no total, mas ainda não começou a ocupar o espaço.

De acordo com a imobiliária Morais dos Santos Empreendimentos e Administração de Imóveis, de propriedade da pastora Janete Morais, responsável pelo prédio, o aluguel foi firmado em 10 de julho de 2015, em um contrato de 12 meses, que pode ser renovado.

Conforme a justificativa do governo, o local, mesmo depois de alugado, está vazio porque o Executivo Estadual precisou fazer uma série de adequações para abrigar a estrutura do programa. De julho para cá, ainda segundo a Sedhast, foram lançadas licitações para instalação de linha telefônica e de internet, por exemplo, além de outros reparos. No entanto, garante que o espaço será inaugurado, já com o atendimento disponível, a partir de sexta-feira (15).

Já com relação aos gastos da Prefeitura de Campo Grande, ainda está pendente o contrato de aluguel do Cempe, que funcionava na Avenida Afonso Pena. Neste caso, estão atrasados quatro meses do aluguel de R$ 194.150,00.

O secretário municipal de Finanças, Disney de Souza, confirmou a situação e disse que o Executivo Municipal elencou prioridades, desde que Alcides Bernal (PP) reassumiu o Paço Municipal, mas que, a partir de março, devem ser inciadas as tratativas para sanar dívidas com fornecedores, como é o caso do Cempe.

Da criação ao fechamento, em outubro de 2015, o Centro Pediátrico foi tomado por polêmica. MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), inclusive, ingressou com ação pública pedindo ao ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), a devolução de R$ 211,8 mil, gastos irregularmente. Isto porque, a unidade de saúde foi criada durante sua gestão, sob críticas e falta de autorização do Conselho Municipal de Saúde. Na ocasião, o órgão afirmou que o ex-gestor, sem justificativa, fez um acréscimo de 10% no valor pago mensalmente ao grupo privado.

Procurado, o proprietário do prédio, Mafuci Kadri, não quis comentar sobre o contrato com o Executivo Municipal e disse que “não existe nenhum atrito” e que a situação “será resolvida”.

Espaço, localizado na Avenida Ernesto Geisel, abrigará atendimento do Vale Renda. (Marcos Ermínio)Espaço, localizado na Avenida Ernesto Geisel, abrigará atendimento do Vale Renda. (Marcos Ermínio)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions