A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

19/06/2008 17:03

Polícia investiga coação de testemunhas em caso Bertin

Redação

A Polícia Civil vai apurar se funcionários do frigorífico Bertin, em Campo Grande, estão sofrendo coação por parte de diretores da unidade, no inquérito que investiga o vazamento de gás amônia, ocorrido em fevereiro deste ano, e que atingiu pelo menos 26 funcionários.

A decisão foi tomada depois que o ex-funcionário do setor de segurança do frigorífico, Samir da Conceição Espíndola, de 30 anos, prestou um segundo depoimento à Polícia Civil dizendo que na primeira vez mentiu a pedido do gerente da unidade, Roberto Favoretto.

No depoimento, o ex-funcionário diz que no dia do incidente, os superiores impediram a entrada dos bombeiros e não prestaram socorro devido aos funcionários atingidos pelo gás amônia.

Essas informações, segundo o delegado Nilson Tobias, responsável pelo caso, não trazem novidade ao caso, uma vez que a omissão de socorro já estava configurada com base nas informações prestadas pelos bombeiros que foram ao local no dia em que o vazamento ocorreu.

Mas diante da suspeita de coação de funcionários, o delegado decidiu investigar se houve algum tipo de comportamento ilegal em relação a outras pessoas. Segundo ele, diretores do frigorífico serão novamente chamados para serem ouvidos sobre o assunto.

Além de Samir, chegou ao delegado a informação de demisssão de uma outra funcionária, que passou mal no dia do vazamento e chegou a ser levada para o hospital.

Tobias informou que a Superintendência Regional do Trabalho também será informada para verificar se houve alguma irregularidade trabalhista nas demissões feitas pelo frigorífico.

De acordo com ele, o inquérito sobre o vazamento de amônia ainda deve demorar a ser concluído. O prazo mínimo previsto é de 3 meses.

Um crime já está configurado, o de poluição, por causa do vazamento ocorrido. A omissão de socorro também está caracterizada.

O que o delegado quer saber agora é se o frigorífico descumpriu o que estava previsto no licenciamento ambiental dado à indústria. Se isso ocorreu, será um terceiro crime. Caso a coação de funcionários também seja confirmado, a peça policial poderá trazer o indiciamento de diretores da empresa por um quarto crime.

A reportagem do Campo Grande News procurou o gerente industrial Roberto Favoreto, por telefone, mas não conseguiu contato com ele.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions