A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

30/09/2009 10:27

Preso no PR grupo que aplicava golpes também em MS

Redação

Um grupo que aplicava golpes há vários anos em idosos de seis Estados, incluindo Mato Grosso do Sul, foi preso nessa terça-feira pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) de Curitiba, Paraná.

Além de Mato Grosso do Sul, os 13 presos são suspeitos de aplicar golpes no Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro, conforme reportagem publicada pela Folha Online. O alvo preferencial da quadrilha eram pessoas nascidas nas décadas de 30 e 40.

De acordo com apurado pelo jornal, o grupo informava aos idosos que eles tinham valores a receber pela compra de ações do Fundo 157, espécie de fundo de ações criado pelo governo militar, no final da década de 60, que permitia que contribuintes aplicassem parte do que deviam em imposto de renda na compra de ações e debêntures (títulos de longo prazo).

Segundo noticiado pela Folha Online, para aplicar os golpes, o grupo telefonava para as vítimas simulando serem das empresas Usiminas ou Cosiminas, de Minas Gerais, e obtinham dados pessoais.

Com as informações, os criminosos ligavam novamente aplicando o golpe do Fundo 157 e pediam para que os idosos ligassem para um telefone, informando se tratar de uma empresa que faria assessoria no recebimento do dinheiro. Cada golpe rendia ao grupo entre R$ 7 mil e R$ 51 mil.

Conforme a reportagem, para resgatar o dinheiro, as vítimas eram informadas de que tinham de pagar primeiro o valor relativo ao imposto de renda e taxas. Esses valores eram depositados em contas bancárias de laranjas e sacados ou transferidos para outras contas.

Segundo as investigações, a quadrilha atuava com uma organização empresarial, chefiada no Guarujá, São Paulo, mas tinha agentes em Carapicuíba, São Paulo, e Curitiba. Os membros recebiam treinamento para aplicar os golpes e ganhavam comissão sobre o resultado das ações.

A investigação no Paraná começou após denúncia feita por uma vítima ao Gaeco de São Paulo. Ela contou que pagou quase R$ 52 mil a pretexto de receber uma quantia superior a R$ 177 mil em ações preferenciais da Usiminas.

Após as investigações, duas pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Paraná em 11 de setembro. Célio Roberto Alves Rolim e José Alexandre Monteiro respondem por como estelionato, formação de quadrilha, falsificação de documentos e falsidade ideológica na 7ª Vara Criminal de Curitiba. Os dois foram presos

(Com informações da Folha Online)

Chuva intensa de meteoros terá pico na madrugada de quinta-feira
A chuva de meteoros Geminídeos – uma das mais intensas e brilhantes do ano – vai ocorrer durante a noite de hoje (13) e a madrugada de amanhã (14) e ...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...
UFGD oferece vagas em 36 cursos de graduação pelo Sisu
A UFGD (Universidade da Grande Dourados) está ofertando 944 vagas em 36 cursos de graduação para o Sisu (Sistema de Seleção Unificada). As inscrições...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions