A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

11/11/2010 09:13

Protagonista da Owari, Sizuo Uemura diz estar tranquilo

Redação

Com riso desconfortável, mas calmo, o empresário Sizuo Uemura falou hoje pela primeira vez com a imprensa depois da operação Owari, que prendeu vereadores, secretários e empresários de Dourados por envolvimento em fraudes em licitações em junho de 2009.

Cercado por jornalistas, ele respondeu com ar de tranquilidade algumas perguntas com poucas palavras, mas se negou a detalhar impressões sobre a acusação e o processo.

"Só a Justiça vai dizer se sou inocente ou culpado", resumiu. Ao lado de duas pessoas, quando foi abordado pela imprensa, Sizuo acabou sozinho e depois voltou correndo para o prédio do TJ, onde prestou depoimento na manhã de hoje, assim como o prefeito afastado de Dourados, Ari Artuzi.

Antes, Uemura disse que não encontrou Artuzi na audiência desta quinta-feira. Sobre supostas ameaças de morte feitas ao prefeito afastado, Uemura disse que são "inventadas". Tais ameaças seriam o motivo de transferência de Artuzi da sede do Garras para o Presídio Federal, onde está preso desde a operação Uragano.

O empresário disse que há possibilidade de um novo depoimento sobre o caso, mas sem data marcada.

Máfia - Dourados foi palco em 2009 da maior ação já realizada pela Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, a Operação Owari (ponto final, em japonês), desencadeada para desmontar o esquema liderado pelo empresário Sizuo Uemura e pelos filhos Eduardo Uemura e Sizuo Uemura Filho.

No dia 7 de julho, após um ano de investigações sigilosas e dezenas de horas de escutas telefônicas, a Polícia Federal prendeu 42 pessoas em Dourados, Ponta Porã e Naviraí. Entre os presos estavam sete ocupantes de cargos de primeiro escalão da administração Ari Artuzi (PDT), dos quais o vice-prefeito Carlinhos Cantor (PR), os vereadores Humberto Teixeira Junior (PDT), Paulo Henrique Bambu (DEM) e o presidente da Câmara Sildei Alves (DEM), Sizuo Uemura, a mulher dele e quatro filhos do casal, empresários locais, servidores municipais, o vice-prefeito de Ponta Porã Eduardo Esgaib Campos (DEM), a mulher dele e assessora de assuntos jurídicos da prefeitura, Paula Consalter, e o presidente da Câmara de Naviraí, José Odair Gallo (PDT).

Também estavam entre os acusados o ex-secretário estadual de Saúde, João Paulo Barcellos Esteves, que ocupou a Secretaria de Saúde na administração de Laerte Tetila (PT) e o filho do ex-prefeito petista, o dentista André Freitas Tetila.

As prisões foram decretadas pela juíza Dileta Terezinha Souza Thomaz, da 1ª Vara Criminal de Dourados. Menos de uma semana depois, todos estavam em liberdade beneficiados por liminar do desembargador Claudionor Abss Duarte, do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Sizuo Uemura, Eduardo Uemura e Sizuo Uemura Filho ficaram mais alguns dias na Phac (Penitenciária de Segurança Máxima Harry Amorim Costa) porque tinham sido recolhidos por mandado de prisão preventiva. Ernani Roberto de Assis, o Polaco, funcionário de Sizuo, ficou nove dias na cadeia, porque foi autuado também por porte ilegal de arma.

A família Uemura foi acusada pela Polícia Federal de manter, por vários anos, um esquema de fraude em licitações para controlar serviços públicos em vários setores. Para isso, segundo a PF, contava com o apoio de servidores e políticos.

A investigação levou a PF a desencadear outra operação paralela, a Brothers, que apurou a organização criminosa montada pelos irmãos Everaldo e Eduarte Leite Dias, donos de empresas que mantêm contrato com órgãos públicos nas áreas de transporte, limpeza pública, poda de árvore e coleta de lixo.

Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions