A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

30/11/2011 18:03

Rede privada tem cinco vezes mais médicos que a pública em MS

Marta Ferreira
Demora em unidades públicas de explica pelo número de médicos insuficiente. (Foto: João Garrigó)Demora em unidades públicas de explica pelo número de médicos insuficiente. (Foto: João Garrigó)

A população que usa o SUS (Sistema Único de Saúde) em Mato Grosso do Sul, estimada em 2 milhões de pessoas, tem à disposição 5 vezes menos médicos do que os cerca de 409 mil segurados de planos de saúde. Para cada mil usuários das seguradores, existem no Estado 8,79 médicos, enquanto na rede pública custeada pelo SUS, essa relação é de apenas 1,63 médico para cada grupo de mil pessoas.

No ranking nacional de desigualdade entre a oferda de médicos na rede pública e na rede privada, Mato Grosso do Sul é o 13º. Campo Grande, que concentra a maior parte dos profissionais da Medicina, é a 7ª nesta relação de desigualdade.

A relação estadual é pior do que resultado nacional, que mostra quatro vezes mais médicos à disposição do sistema pago de saúde em relação ao público. No País, a cada mil usuários de planos de saúde, existem 7,6 postos de trabalho ocupados por médicos, enquanto no SUS a taxa cai para 1,95 posto preenchido para cada mil pacientes da rede pública.

Os dados são da pesquisa Demografia Médica no Brasil, divulgada hoje (30) pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

Conforme os dados, Mato Grosso do Sul tem ao todo 6.933 postos de trabalho para médicos preenchidos, uma relação de 2,38 por grupo de mil habitantes. Essa proporção está abaixo da média estipulada pelo Ministério da Saúde, de 2,5 médicos para grupos de cem mil habitantes.

Quando dividoda entre profissionais da rede pública e rede privada, a estatística mostra a discrepância entre quem pode pagar plano de saúde e quem não pode.

São 3,5 mil mil médicos em Mato Grosso do Sul atendendo aos planos e seus 408 mil clientes, e um número apenas um pouco maior atendendo os 2 milhões que precisam da rede pública.

Em Campo Grande, que tem 570 mil usuários do SUS, conforme o documento, são 1418 médicos atendendo aos pacientes do SUS, uma relação de 2,48 por mil habitantes. Na rede privada, a proporção é de 9,86 médicos por mil habitantes, considerando que são 1939 mil profissionais, para um público de 195 mil pessoas. A diferença é de 3,9 vezes, o sétimo maior índice entre as capitais.

Análise- “A diferença pode estar contribuindo para escassez de serviços públicos. Se não invertermos a equação, iremos aumentar ainda mais a desigualdade de médicos no [setor] público e privado”, disse à Agência Brasil Mário Scheffer, coordenador da pesquisa e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

As taxas foram calculadas com base nos postos de trabalhos ocupados por médicos em hospitais privados que atendem por operadoras de planos de saúde e os postos ocupados por profissionais em estabelecimentos financiados pelo governo, como instituições públicas, hospitais filantrópicos ou serviços particulares conveniados. Não foram contabilizados consultórios médicos particulares.

Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...


isso é muito lógico... a rede privada paga mais, muito mais do que a rede pública. Está aí a explicação.
 
Marcelo Max em 01/12/2011 12:07:56
Falta de Lei para moralizar isso; O Elemento formado pelas Universidades Públicas, mantidas com nosso imposto, devem pagar em serviço diário a população de no mínimo 01:00h por dia gratis a população, pelo mesmo período do Curso, 5 anos. Duvido se com essa medida falte médico na rede pública, mas administrar com responsabilidade ninguem quer.
 
luiz alves pereira em 01/12/2011 08:52:30
E não poderia ser diferente mesmo.
Com o Governador, o Prefeito, o Presidente da Câmara Municipal todos médicos, e as bancadas legislativas,Federal, Estadual e Municipal com um expressivo número de médicos, vemos os reajustes salariais serem definidos sempre abaixo dos valores inflacionários e do salário mínimo; em compensação, IPTU e IPVA são sempre definidos com valores com dois dígitos.
 
Luiz Antonio M costa em 01/12/2011 06:59:06
NOSSA!! E PRECISA SER UM GENIO PRA SABER DISSO??!!
 
CARLOS DAMASCENO em 01/12/2011 02:07:52
se tem tanto médico assim na rede privada, pq eu nunca consegui ir a um médico (pela unimed) sem ter q esperar ao menos 2h para ser atendida?
 
Ana Paula em 01/12/2011 01:05:12
Olha, tem muitos que fazem plantao na rede privada, tem seus consultorios mas fazem os plantoes. por que eles tbem nao fazem nos postos de saude. ja que eles falam que a unimed paga pouco, a prefeitura deveria pagar o mesmo valor para eles tbem
 
thaigo souza em 30/11/2011 09:16:28
Com certeza que a rede privada tenha mais medicos
imagine só o preço que estão os planos de saúde,
e o valor das consultas. Já na rede pública esta mesmo
um lixo, tenho pena das pessoas que necessitam dessa
porcaria.
 
Ramona Pereira Lopes em 30/11/2011 08:56:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions