A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 23 de Setembro de 2018

03/07/2018 19:00

Reinaldo reforça compromisso com administrativos, mas alerta para LRF

Governador afirma que falta de evolução da receita estadual atinge limite de gastos com pessoal

Humberto Marques e Anahi Gurgel
Governador reforça compromisso com administrativos da Educação, mas afirma que limite da LRF ainda impede incorporação. (Foto: Fernando Antunes)Governador reforça compromisso com administrativos da Educação, mas afirma que limite da LRF ainda impede incorporação. (Foto: Fernando Antunes)

O limite de gasto com pessoal imposto pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) impede o governo do Estado de incorporar o abono salarial aos ganhos dos servidores administrativos da Educação de Mato Grosso do Sul. A afirmação é do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), em resposta ao movimento de integrantes da categoria que, na manhã desta terça-feira (3), cobraram o acréscimo aos vencimentos de forma definitiva.

Durante solenidade para entrega de equipamentos à segurança pública durante a tarde, na Acadepol (Academia de Polícia Civil de Mato Grosso do Sul), Reinaldo reconheceu que há a intenção do governo em anteder aos servidores. “O compromisso está firmado”, disse ele, advertindo na sequência para os limites da LRF. “Não tem como transpor a lei”, emendou.

Segundo o governador, representantes dos servidores assinaram documento, durante negociações salariais, concordando com essa condição. “Como a receita não cresceu, o Estado não saiu do limite prudencial. Assim que sair desse limite é compromisso. Estamos pagando (o abono), eles já estão recebendo. Teria de simplesmente incorporar no salário-base, e vai ser feito”, disse.

O limite prudencial é um dos tetos da LRF que servem como advertência aos gestores públicos quanto ao limite de gasto com o funcionalismo. Ele é calculado sobre a receita corrente líquida (resultado da arrecadação descontadas obrigações constitucionais, como a Previdência), equivalendo a 46,55% desta em relação aos Estados.

Além dele há o limite de alerta (44,22%) e o máximo (49%), havendo punições administrativas em caso de cada um deles ser ultrapassado –como a suspensão de repasses voluntários e proibição de novas contratações de pessoal.

Servidores foram à Assembleia cobrar incorporação. (Foto: Leonardo Rocha)Servidores foram à Assembleia cobrar incorporação. (Foto: Leonardo Rocha)

Acordo – Administrativos da Educação foram nesta manhã à Assembleia Legislativa cobrar a incorporação do abono de R$ 200 aos salários, conforme previsto no acordo citado por Reinaldo e assinado em abril com a categoria –quando foi concedido reajuste linear de 3,04% e aumento de R$ 100 no auxílio-alimentação.

Como resultado da movimentação, o secretário Eduardo Riedel (Governo) informou que a gestão estadual analisaria a possibilidade jurídica de condicionar a incorporação à saída do Estado do limite prudencial da LRF. Em caso positivo, o texto seria enviado à Assembleia entre a noite desta terça e a manhã de quarta-feira (4).

O projeto precisaria ser votado até 7 de julho, prazo máximo para a concessão de benefícios salariais em virtude da legislação eleitoral, que veda aumento de gastos com servidores 180 dias antes da troca de gestão.

A categoria tem salário base de R$ 828, recebendo R$ 200 de abono e R$ 100 de auxílio alimentação, totalizando R$ 1.128 (sem os descontos). A incorporação do abono dá ao servidor garantia de que não será retirado o benefício e melhora o cálculo sobre férias e 13º salário, entre outros benefícios.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions