A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

20/05/2014 18:37

Sem a BR-163, DNIT tem dificuldade para investir R$ 300 milhões em MS

Lidiane Kober
Segundo o superintendente do Dnit, hoje faltam obras para aplicar os R$ 300 milhões (Foto: Marcos Ermínio)Segundo o superintendente do Dnit, hoje faltam obras para aplicar os R$ 300 milhões (Foto: Marcos Ermínio)

Com a privatização da principal rodovia federal, o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) tem dificuldade para investir R$ 300 milhões nos 3.207 quilômetros de estradas federais, que cortam Mato Grosso do Sul. Nos anos anteriores, a BR-163, que está desde abril sob responsabilidade da iniciativa privada, concentrava praticamente a metade dos investimentos da União no Estado.

De acordo com o orçamento federal, este ano, o Dnit tem R$ 300 milhões para aplicar em restauração de rodovias. O recurso, segundo o superintendente do órgão, Carlos Antônio Pascoal, é remanejável de um trecho para outro e, do total, em cinco meses, o departamento conseguiu empenhar R$ 80 milhões, 26,6% do previsto.

“Hoje, não temos onde colocar o recurso, precisamos de obras”, afirmou Pascoal, que está no comando do órgão desde 16 de outubro de 2013. Quando assumiu, estava em discussão o processo de privatização da BR-163 e uma das prioridades foi remanejar verba de sete contratos na rodovia para não perder o dinheiro. “Em maio, quando terminamos de pagar os últimos serviços executados, saberemos se perdemos alguma coisa”, disse.

Ele também tentou correr contra o tempo para fechar o planejamento de obras para este ano. “Como não é verba direcionada especificamente para uma obra, o importante foi garantir o investimento”, frisou sobre os R$ 300 milhões.

O problema atual, conforme o superintendente, é a falta de “obras de grande vulto”. “Hoje todos os segmentos estão cobertos, mas não tem obra de grande vulto para aplicar o dinheiro”, comentou. Para cobrir este déficit, ele conseguiu empenhar R$ 10 milhões na restauração da BR-060, entre Campo Grande e Bela Vista.

“Vamos fazer acostamento e terceira faixa nos pontos críticos”, destacou. No total, a obra prevê investimento de R$ 36 milhões. “Até queremos empenhar mais recursos, mas o processo burocrático exige muito tempo”, lamentou. Em média, o Dnit espera quatro meses para efetuar os trâmites legais no sentido de colocar em prática um projeto aprovado. “Vamos tentar assinar esse contrato (da BR-060) para aproveitar parte dos R$ 300 milhões”, completou Pascoal.

Questionado sobre o risco de deixar de fazer investimentos no Estado por não ter obras, ele admitiu a possibilidade e, ao mesmo tempo, ressaltou a chance de repetir remanejamentos dos recursos em obras em andamentos, com contratos assinados.

Para 2015, o superintendente não quer repetir o problema e, com tempo de casa e a par de tudo, promete planejar projetos para investir na melhoria das rodovias federais. Como exemplo, ele citou proposta de restaurar a BR-267 de Nova Andradina até a saída para São Paulo. Outra meta é fazer o anel rodoviário de Três Lagoas.

Questionado sobre a possibilidade de poder duplicar rodovias federais em Mato Grosso do Sul, já que o Dnit ficará sem a missão de cuidar a BR-163, Pascoal disse que a União não tem aceitado esse tipo de projetos por exigir muitos investimentos. “Veja o quanto tempo a população cobrou a duplicação da BR-163 e o pleito só sairá do papel porque o Governo Federal repassou à iniciativa privada a responsabilidade”, comparou.



Meu Deus! Esse é o superintendente do DNIT no estado??
Acho que ele não está saindo muito do escritório e rodando as estradas federais de MS... Se ele der um pulo na BR-262 Campo Grande sentido Três Lagoas, após Agua Clara, ele vai ver onde investir. A ENPA começou a recuperar o trecho, levou calote do DNIT, abandonou a obra e o asfalto ficou aquela maravilha....
 
Marlon Costa Pires Junior em 06/06/2014 14:11:02
Têm dinheiro? Vai la na Br262 depois de Miranda ta cheio de buraco asfalto inacabado e acima de tudo uma estrada muito importante do nosso estado não merece tal abandono.
 
marcelo crystiano de Oliveira em 21/05/2014 09:55:56
Pascoal, ouvi-lo falar em "não termos onde colocar o recurso" soa como piada e afronta à população, pois a BR 262, Trecho Três Lagoas a Agua Clara, a partir do km 55 até 135 (Agua Clara) está pondo em risco todos que transitam naquele local.
Inclusive a obra foi iniciada em alguns trechos e está parada há meses. O que houve, o contrato de manutenção foi paralisado?
Trechos sem acostamento, grandes desníveis que facilitam graves acidentes.
Faça o favor passe naquele local e verá que lá precisa de atenção com urgência, ou vai espera que a imprensa faça reportagens ou que o Ministério Público cobrem a atuação de vocês.
Campo Grande News percorram aquele local e verão a gravidade da situação.
 
Rogerio Luz em 21/05/2014 07:56:19
Sr. Carlos Pascoal invista esse dinheiro todo na BR 262 e 267, você já percorreu o trecho da BR 262 entre Campo Grande e Três Lagoas, vá lá ver que a maior parte do trecho não tem acostamento, ou vá pela 267 até Bataguassu e veja a situação precária da rodovia.
Agora estranho é a CCR MSvias ter que refazer todo o recapeamento que o Dnit fez esse começo de ano na BR163, com material de péssima qualidade, cadê o MPF.
 
Marcos Wild em 20/05/2014 23:48:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions