A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

27/05/2014 16:45

Sem reajuste, terceirizados da Oi continuam em greve

Caroline Maldonado
Em Campo Grande, a concentração dos trabalhadores ocorre em frente ao prédio da Oi, na rua Rui Barbosa (Foto: Divulgação)Em Campo Grande, a concentração dos trabalhadores ocorre em frente ao prédio da Oi, na rua Rui Barbosa (Foto: Divulgação)

Cerca de 1,3 mil funcionários da Telemon, empresa terceirizada da Oi, continuam com a greve que começou ontem (27). De acordo com o Sinttel (Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações de Mato Grosso do Sul), 30% dos técnicos permanecem trabalhando, como ordena a lei em casos de serviços essenciais. Em Campo Grande, a concentração dos trabalhadores ocorre em frente ao prédio da Oi, na rua Rui Barbosa. A greve se estende aos municípios de Dourados, Três Lagoas e Corumbá.

Segundo o diretor financeiro do sindicato Jefferson Borges Silveira, a empresa não quer negociar, por isso a greve continua. “Nós procuramos o diálogo todo o tempo, mas a empresa foi irredutível no quesito de valorização salarial de seus funcionários, que são mão-de-obra especializada”, afirma. Os técnicos querem que seja estabelecido um piso salarial, pois os salários de funcionários das mesmas funções variam em outras regiões do país.

O sindicato exige o piso de R$ 1,1 mil para os ligadores de linhas telefônicas que, atualmente, ganham R$ 780,00. Já para os instaladores e pessoal de manutenção de linhas e dados que ganham cerca de mil reais, a reivindicação é de que o valor suba para R$ 1,4 mil. No entanto, a empresa ofereceu apenas 6% de reajuste, o que para o Sinttel representa somente a reposição da inflação, que em abril foi de 5.80%.

Além do reajuste salarial, os funcionários querem que a carga horária de 44 semanais seja cumprida de segunda a sexta-feira, sendo que os finais de semana trabalhados sejam registrados como horas extras. Os técnicos querem ainda o aumento de 10% na locação de veículos, mas a empresa, até então, concordou com apenas 5% de aumento na locação. Quanto ao ticket alimentação de R$ 13,58, a empresa concorda em aumentar para R$ 16 mas os técnicos querem que o valor suba para R$ 18.

A paralisação dos trabalhadores das telecomunicações conquistou ainda o apoio de outras categorias. De acordo com o presidente do Sinttel, Rafael Gonzales, estão presentes nas manifestações os dirigentes dos sindicatos dos transportes, vigilantes e da alimentação, entre outros. A UGT (União Geral dos Trabalhadores) também ajuda na coordenação da greve no estado. Na próxima quarta-feira (28), os estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Rondônia, também devem iniciar a greve exigindo os mesmos benefícios, de acordo com o Sinttel.

A operadora Oi informou, por meio da assessoria de imprensa, que os serviços de internet, telefonia e TV por assinatura não devem ficar prejudicados com a greve, pois já foram acionadas equipes próprias e contratadas para suprir a falta dos funcionários efetivos. A assessoria lembra que casos pontuais de problemas técnicos podem ser comunicados pelo canal de atendimento 103 14.

Oi aciona plano de emergência e diz que greve não prejudicará serviços
A operadora Oi afirmou, nesta tarde, por meio da assessoria de imprensa, que os serviços de telefone, internet e TV por assinatura não ficarão compro...
Trabalhadores da Oi entram em greve e telecomunicação fica comprometida
Trabalhadores da Telemont, empresa terceirizada que emprega 2,5 mil funcionários da operadora de telefonia Oi em Mato Grosso do Sul, entraram em grev...
Terceirizados da Oi não aceitam reajuste salarial de 17%, mas adiam greve
Após reunião realizada na noite desta quarta-feira (21) na sede do Sinttel/MS (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações de Mato Gr...
Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions