A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

14/04/2016 11:41

Setor produtivo de MS vê afastamento de Dilma como saída à crise

Aline dos Santos e Caroline Maldonado
Na fachada da Fiems, campanha faz alerta contra carga de impostos. (Foto: Fernando Antunes)Na fachada da Fiems, campanha faz alerta contra carga de impostos. (Foto: Fernando Antunes)
Presidente da Fiems  afirma que situação do Brasil é preocupante.(Foto: Fernando Antunes)Presidente da Fiems afirma que situação do Brasil é preocupante.(Foto: Fernando Antunes)

O processo para impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que vai à votação no próximo domingo (dia 17), tem apoio dos setores produtivo, industrial e comercial em Mato Grosso do Sul. A expectativa é de que o afastamento seja solução para a crise política, que deriva em turbulência econômica. Representantes dos segmentos compartilham discurso de desaquecimento da economia e perda de credibilidade da classe política.

“A Associação Comercial não defende somente o impeachment, mas a limpeza geral na questão política. Todos nós estamos sendo abandonados pela classe política e seus interesses próprios. É a politicagem. Queremos mais, queremos retirar todos os corruptos do poder”, afirma o presidente da ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), João Carlos Polidoro.

Segundo ele, o desempenho do comércio está em queda livre. “Campo Grande não é diferente de nenhum lugar do País. Tem empresas fechadas, pontos comerciais com placa de aluga-se e venda. A crise econômica aliada à crise de credibilidade política está afundando o Brasil. Empresas sólidas estão fechando as portas”, salienta Polidoro.

Presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Ségio Longen afirma que a situação do País é preocupante. “Desemprego batendo recorde, atividade econômica insustentável, principalmente no setor industrial, que acaba arrastando o comercial. Nós vemos com muita preocupação a situação do Brasil hoje. Precisamos criar um pacto, não só pela governabilidade, mas também pela sustentação política. Não é possível avançar nas reformas sem que os parlamentares consigam aprovar os projetos que são necessários ao País. Esse é o motivo principal pelo qual a Fiems, alinhada com a Famasul, Fecomércio e OAB, defende o afastamento da Dilma”, afirma Longen.

A Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) informou, por meio da assessoria de imprensa, que não vai comentar o assunto.

No domingo, a votação começará às 14 horas na Câmara Federal e tem a previsão de terminar por volta das 21 horas. Líderes de todos os partidos poderão discursar como forma de orientar o voto de suas bancadas. Em seguida, cada deputado terá 10 segundos para apresentar sua posição. Se aprovado na Câmara, o processo seguirá para a análise do Senado.

O pedido de impeachment foi apresentado pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal. Os fundamentos para o afastamento da presidente são as “pedaladas fiscais” e edição de decreto de crédito suplementar.

As pedaladas correspondem ao uso de recursos de bancos públicos para quitar compromissos de programas sociais do governo.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions