A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

30/05/2015 09:00

Sindicato briga por salários, mas esquece respaldo a professor em sala

No dia-a-dia, professores nadam contra a maré para ensinar alunos com dificuldades de aprendizado

Da Redação
Escolas estaduais: adesão à greve é parcial (Foto: Marcelo Calazans)Escolas estaduais: adesão à greve é parcial (Foto: Marcelo Calazans)

A população de pelo menos 12 estados assiste a greve que mobilizou o setor de educação nos últimos dias. Os professores saíram às ruas para cobrar melhores salários e cruzaram os braços nos estados do Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe, Tocantins e Santa Catarina. Entretanto, apesar de exigir valorização salarial, os sindicatos não mantêm o mesmo afinco quando se trata de melhorar as condições desse mesmo professor dentro de sala de aula.

O movimento grevista em Mato Grosso do Sul é ligado a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação), que por sua vez é ligada a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e ao PT. O próprio presidente da Fetems, professor Roberto Botarelli é filiado ao PT, principal adversário político da sigla que está gerindo o governo: o PSDB.
A politização do movimento ficou ainda mais evidente após as declarações do presidente da Fetems, Roberto Botarelli, de que os professores estaduais estão “em situação um tanto privilegiada”. Atualmente, o Governo de MS paga o piso nacional para os professores em 38,84% acima do valor. Cálculos da Secretaria de Educação revelaram que, enquanto o piso nacional é de R$ 1.917,78, o Estado repassa R$ 2.662,82, mas 99,67% dos profissionais tem curso superior e recebe em média R$ 5.561,90 para carga horária de 40 horas semanais.

Somente em 2015, o Estado autorizou o reajuste de 13,01% antecipado pelo ex-governador André Puccinelli (PMDB), ofereceu mais 4,34%, a partir de outubro e negociou o aumento de salário ao dobro até 2022. Mas a proposta não agradou a categoria que saiu as ruas, mas acabou barrada pela Justiça.

Apesar da briga ter ido parar nos tribunais, na outra ponta que atinge diretamente a sociedade e as famílias - a qualidade do ensino público - o professorado permanece desguarnecido. Dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), mostram que a qualidade do ensino na rede pública no Brasil só deve chegar próximo ao nível dos países desenvolvidos em 2022.

Na avaliação da professora Doutora em Educação com pesquisa em formação de professores, Maysa Brum, a educação ainda não é prioridade, o que deixa muitos professores mal qualificados e sem condições de educar nossas crianças.

“Claro que a questão salarial é muito importante, mas não adianta brigar só pelo salário. Precisamos de condições detrabalho, infraestrutura,apoio institucional, físico, administrativo e pedagógico. A realidade que vemos hoje é de uma grande parte de professores mal formados, que não conseguem dar conta de formar nossos filhos e lá na frente os deixam muitas vezes sem saber ler, escrever, interpretar e sem visão crítica. Falta acirrar a briga também na outra ponta e elencar prioridades que não foram alcançadascomo investir nas condições de trabalho e principalmente na formação de professores”, elencou.

A educadora salientou ainda a questão dos alunos que ‘passam de ano’ sem ter conhecimento para avançar as séries, apenas para atingir a meta de aprovação das escolas. Maysa explicou que isso se deve a má interpretação da Lei.

“Quem comete esse tipo de crime contra a educação não entendeu o propósito da Lei. A ideia de que não pode haver reprovação quer dizer que vamos ter que suprir a necessidade do aluno: se não está aprendendo vou dar um reforço no contraturno, reforço psicológico, mas não é assim que a gente vê acontecer e muitas vezes essas professoras precisam reduzir o nível dos estudos para nivelar por quem sabe menos. Então, vemos que é urgente uma formação continuada remunerada aos professores, no seu horário de trabalho, porque não há quem trabalhe dois, três turnos e ainda tenha disposição e ânimo para fazer um aperfeiçoamento”, finalizou.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...


Muito fácil falar de “crise econômica”, em queda de arrecadação, em falta de condições para cumprir a Lei, mas que tal explicar para a população que dinheiro para pagar em publicidade o valor de R$ 35 milhões, por seis meses de serviço, conforme o publicado em Diário Oficial, que também possui 270 mil para contratar uma empresa para reformular a nossa Lei Complementar 087/2000, que é o Estatuto dos Profissionais da Educação Básica de Mato Grosso do Sul, que possui condições de contratar uma empresa especializada em serviços de informática para a Secretaria de Educação, por R$ 9.979.200 (nove milhões novecentos e setenta mil e duzentos reais), publicado também em Diário Oficial, no dia 27 de maio, de reduzir o imposto do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços)
 
Adao_Luciano em 31/05/2015 14:35:18
REALMENTE O PROBLEMA É POLITIZAÇÃO, COMO SE SABE A FETEMS E SINDICATO APOIARAM O PT E AGORA VEM A PERSEGUIÇÃO, NADA DE REAJUSTE PARA ADMINISTRATIVOS E NEM OS 10% DOS PROFESSORES APROVADOS PELA LEI, ESSA É A VERDADE. SOBRE A QUALIDADE DE ENSINO REALMENTE NÃO É BOA, AFINAL SALARIOS BAIXOS, EXCESSO DE ALUNOS, NÃO SE PODE CORRIGIR, COBRAR UM APRENDIZADO POIS MUITOS PROFESSORES SÃO MORTOS, AS ESCOLAS TEM ENFRENTAR ALUNOS DROGADOS E ARMADOS E NINGUEM FAZ ABSOLUTAMENTE NADA, OBSERVEM AS ESCOLAS DOS PAISES DE 1º MUNDO E IMPLANTEM NO BRASIL. CRITICAR QUEM ESTÁ TRABALHANDO NUMA ESCOLA É FACIL QUERO VER ENFRENTAR UMA SALA DE AULA ABARROTADA, SEM ESTRUTURA, ALIAS DEVERIAM CONHECER ALGUMAS ESCOLAS , VAI NA EE. ARACY EUDOCIAK PRA VER A SITUAÇÃO DA ESCOLA, QUASE CAINDO SOBRE A CABEÇA DOS SERVIDORES.
 
nice em 30/05/2015 21:41:26
É difícil opinar sobre a greve dos professores estaduais, mais analisando so números apresentados pelo governo dá para ver que houve melhorias consideráveis dos salários nos dois últimos anos, e que no momento a greve é inoportuna e tem clara conotação politica, essa queda de braço só prejudica a classe estudantil, o Roberto Botarelli com certeza mira se candidatar à algum cargo politico em 2016 e deste modo esta utilizando a Fetems para se promover.
Se os professores tiverem bom senso, aceitam a proposta do governo e voltam às aulas, afinal de contas são eles que enfrentam o dia a dia das salas de aula, os dirigentes sindicais se limitam a viver das mordomias através das contribuições pagas pelos professores;
 
juvenil marques do vale em 30/05/2015 16:02:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions