ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Sindicato quer acabar com desconto de plano de saúde

Redação | 12/05/2009 17:35

O Sisem (Sindicato dos Funcionários e Servidores Municipais) quer acabar com o desconto obrigatório do Funserv (Fundo de Assistência à Saúde do Servidor Municipal). Segundo a entidade, a suspensão dos serviços de atendimento pela Santa Casa desde o dia 7 deste mês motivou a decisão.

A presidente do sindicato, Maria das Dores Rocha, garante que a contribuição descontada da folha de pagamento ultrapassa os 3% acordados. A reivindicação dos trabalhadores é que a adesão ao plano e, consequentemente, o desconto dos salários seja opcional.

Além do desconto, a reclamação do Sisem é que mesmo pagando pelo fundo de assistência à saúde, os funcionários precisam custear parte dos procedimentos médicos de que necessitam.

Maria das Dores alega que uma funcionária procurou a entidade nesta semana, porque precisa fazer uma cirurgia na coluna e terá que bancar 30% do procedimento, pois o fundo não cobre a despesa.

Para o sindicato, o valor que a mulher terá que desembolsar é 'inviável', quando comparado ao seu salário.

Ela ressalta também que a suspensão do atendimento da Santa Casa para os servidores, feita no dia 7 deste mês, piora a situação por se tratar de um hospital referência no atendimento de alguns casos.

Auxílio - A Prefeitura de Campo Grande informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o diretor-presidente do Instituto Municipal de Saúde, César Galhardo, negocia há dois dias o retorno do atendimento da Santa Casa para os servidores.

E garantiu que a suspensão ocorreu somente até que o hospital regularize as questões burocráticas relacionadas à sua administração.

Além disso, a administração municipal explica que o Funserv, criado pela Lei 3.636 de 2 de Julho de 1999, tem como finalidade viabilizar a assistência ao servidor.

Apesar do desconto do fundo ser obrigatório para os funcionários municipais, a intenção é que os convênios com hospitais particulares facilitem o atendimento.

Quando à não cobertura do custo dos procedimentos, a Prefeitura garante que o Funserv faz a cobertura total dos procedimentos médicos básicos, e somente os mais complexos exigem que o servidor pague parte dos custos.

Nos siga no Google Notícias