A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

05/03/2012 07:52

STF arquiva pedido e oficial acusado de matar juíza no RJ na Capital

Aline dos Santos

A defesa queria transferência para unidade prisional Bangu I, no Rio de Janeiro

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, arquivou o pedido feito pela defesa do tenente-coronel da PM (Polícia Militar) do Rio de Janeiro, Claudio Luiz Silva de Oliveira, acusado de ser o mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli.

A defesa pretendia que o oficial fosse transferido do presídio federal de Campo Grande para a unidade prisional Bangu I, no Rio de Janeiro. Ele está em Mato Grosso do Sul desde 16 de dezembro do ano passado.

A alegação é que o tenente-coronel está submetido a regime carcerário “inteiramente incompatível” com a sua condição de oficial superior da PM (Polícia Militar) do Rio de Janeiro, por ter direito à prisão especial.

Na Capital, ele ficou em RDD (Regime Disciplinar Diferenciado). A defesa ainda alega o alto custo para que a família venha visitá-lo. No pedido de habeas corpus, ele nega envolvimento no crime.

Porém, o ministro Luiz Fux afirmou ser inadmissível a superposição de habeas corpus contra decisões denegatórias de liminar, antes do julgamento definitivo do mérito.

De acordo com o ministro, os advogados ajuizaram pedido de reconsideração da decisão proferida pelo ministro Ari Pargendler, presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que indeferiu o pedido de liminar em habeas corpus ainda pendente de apreciação do mérito naquela Corte. Segundo o ministro Fux, houve uma “sucessividade de impetrações”.

O tenente-coronel foi transferido para Campo Grande por um prazo inicial de seis meses a pedido do Ministério Público. A medida foi para evitar a manipulação das provas e garantir a integridade física de todas as testemunhas e dos denunciados.

Também foi transferido para o presídio federal o tenente Daniel Santos Benitez Lopes, acusado de participação no crime. Eles respondem por homicídio triplamente qualificado. Patrícia Acioli foi morta em agosto de 2011, com 21 tiros.

Acusado de mandar matar juíza pede para ser transferido do presídio federal
Tenente-coronel chegou a Campo Grande no dia 16 de dezembroAcusado de ser o mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli, o tenente-coronel Clau...
Temer veta projeto sobre negociação coletiva no serviço público
O presidente Michel Temer vetou integralmente o Projeto de Lei nº 3.831/15, aprovado pelo Congresso Nacional, que estabelecia normas para a negociaçã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions