A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

24/07/2011 19:51

Superintendência do Dnit em MS e outros 14 Estados podem passar por devassa

Fabiano Arruda

A superintendência do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes) em Mato Grosso do Sul e outros 14 Estados podem estar na mira de devassa que deve ser desencadeada pelo governo federal até o final deste mês.

O superintendente do departamento no Estado, Marcelo Miranda, é apontado como um dos que serão substituídos.

As informações foram publicadas na edição deste domingo do Estado de São Paulo.

A limpa terá as mesmas proporções que teve a que atingiu o Ministério dos Transportes, indica a reportagem.

Em todo o País, o Dnit tem 23 superintendências e pelo menos 15 delas, dois terços do total, apresentam problemas como corrupção, superfaturamento de obras, fraude em licitações e tráfico de influência.

Não há data para o início dessa "faxina" nas superintendências - ou reestruturação, como prefere chamar a presidente Dilma Rousseff -, mas já se sabe que deve ocorrer na sequência, em agosto, logo após o fim do recesso do Congresso e que poucos superintendentes sobreviverão, informa a publicação.

As denúncias mais graves, ainda conforme a matéria, atingem os Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, alvos de investigações no TCU (Tribunal de Contas da União), Ministério Público, CGU (Controladoria Geral da União) e Polícia Federal.

Outro lado - Em entrevista ao Campo Grande News, Marcelo Miranda garantiu que a superintendência do Dnit no Estado não tem “processo ou problema” de faturamento.

Ele afirma que anualmente o órgão em Mato Grosso do Sul passa por auditorias da CGU, TCU e fiscalização interna do departamento nacional. “São feitos levantamentos e o que é considerado problema nós respondemos cada um”, comenta.

“Não tenho preocupação com contratos nossos. Toda obra que sai um aditivo chamam de superfaturamento. Não existe superfaturamento. Aditivo de até 25% é permitido. Nossa media de aditivo é de 5%, umas obras tem menos de 5% e outras não têm”, explica Miranda.

Sobre a possível ameaça do cargo, o superintendente do Dnit em MS diz não ver problema. “O cargo não é meu. É da presidência. Mas cheguei ao Dnit com apoio de toda bancada federal, sem exceção”, complementa.

Ministério Público Federal vê irregularidade em contrato de R$ 1,4 bilhão do Dnit para controladores de velocidade
O Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF/RS) pediu para a Justiça anular uma licitação do Departamento Nacional de Infraestrutura de Tr...
Único petista na cúpula do Dnit pede demissão
Diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Hideraldo Caron entregou na tarde desta sexta-...
Demissões nos Transportes podem travar conservação de rodovias de MS
Com problemas no Conselho do Dnit, podem ser necessárias paralisações em obras para evitar vencimento de contratosDepois de “faxina” no Ministério d...
Queda de ministro não afeta obras em MS, diz superintendente do Dnit
Mesmo com a queda do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, em meio a denúncia de esquema de cobrança de propina na pasta, o superintendente d...


eu queria comentar q os funcionariso do dnit nao tem culpa dos roubos desses chefao ta estao atrazando o pagamento no dnit de miranda na br 262 eles nao querem q os funcionaros trabalhem de graça ne em tao tem q pagar em dia os homens q ralan o dia a dia
 
rejane cardoso guedes em 18/08/2011 09:22:57
Que ótimo! Que fassam essa devassa mesmo, vai ser encontrado muitas irregulariedades. vamos passar o Brasil a limpo, e mandar os ladrões para cadeia e jogar a chave fora.
 
gloria aparecida em 24/07/2011 10:25:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions