A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2019

27/10/2010 14:21

TJ puxa orelha do MPE após denuncia por "furto" de peixe

Redação

Sexta-feira, 13 de março de 2009, por volta das 20h15. O servidor público M.L.R. entra escondido nas dependências do Hotel Zagaia, em Bonito e pesca dois peixes. Flagrado por funcionários, devolve os peixes ao lago. Mas é indiciado por furto.

Após 19 meses, o processo é encerrado pelos desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, que por unanimidade negaram recurso do Ministério Público Estadual, alegando "inexpressiva lesividade" e se baseando no "princípio da insignificância" para não condenar o servidor.

O processo, apesar de simples, expôs divergências entre o Ministério Público e o Tribunal de Justiça. Apesar de declarar que decisão judicial se cumpre e não se discute, o promotor Luciano Furtado Loubet afirma que o princípio da insignificância não se aplica quando o autor age de má fé, como ele classifica o ocorrido.

"Ele

PF pede 90 dias para fechar inquérito sobre atentado contra Bolsonaro
A Polícia Federal (PF) pediu hoje (16) à Justiça Federal em Minas Gerais mais 90 dias para encerrar o inquérito que apura quem são os responsáveis pe...
Com 3 sorteios na semana, Mega-Sena pode pagar até R$ 27 milhões, amanhã
A Mega-Sena pode pagar até R$ 27 milhões nesta quinta-feira (17) para quem acertar as seis dezenas do prêmio. Nesta semana, excepcionalmente, como pa...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions