A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018

30/06/2017 13:50

Viúva de servidor estadual garante recebimento de pensão após 11 anos

Justiça de MS concede mandado de segurança para que o Governo do Estado efetue o pagamento.

Anahi Gurgel
Desembargadores do Tribunal de Justiça, durante sessão de julgamento. (Foto: Divulgação)Desembargadores do Tribunal de Justiça, durante sessão de julgamento. (Foto: Divulgação)

Em sessão de julgamento, desembargadores da 1ª Seção Cível de Mato Grosso do Sul concederam mandado de segurança a uma idosa de 78 anos, que há 11 travava uma verdadeira batalha contra o Governo do Estado para receber a pensão deixada pelo marido, ex-servidor público, falecido em 2013.

Segundo o processo, o benefício pago pelo Estado foi objeto de revisão em outubro de 2006, quando o pagamento de diferença foi autorizado pelo então Secretário de Estado de Gestão Pública, Carlos Alberto Assis. Entretanto, apenas 1 de 3 parcelas foi paga, iniciando, assim, a "peregrinação" da viúva.

A idosa, que não terá o nome divulgado, chegou a requerer o valor restante Junto à Ageprev (Agência de Previdência de Mato Grosso do Sul), mas sem sucesso. Interpôs ainda recurso administrativo, que foi também indeferido.

O pedido foi entao submetido à apreciação da Procuradoria-Geral do Estado, e novamente negado sob a alegação de que a beneficiária decaiu do direito devido a “destempo”, ou seja, fora do prazo, com base na legislação previdenciária estadual. Mesmo argumento apresentado pelo Governo do Estado. 

Decisão - No entando, o desembargador Odemilson Roberto Castro Fassa, entendeu que, se o próprio estado reconhece que os valores reclamados são devidos, mesmo alegando demora na solicitação como argumento para não pagar o valor remanescente, e se essa morosidade no pagtamento derivou de atos da administração, “há que se reconhecer a suspensão da prescrição”, 

Afirmou ainda que, mesmo que o ato de reconhecimento da dívida tenha ocorrido em 2006 e a autora tenha reclamado administrativamente somente em 2015 e, na via judicial em 2016, não correu o prazo prescricional de cinco anos para cobrança dos valores devidos pela administração.

O desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte, relator designado, defendeu que a questão humanitária e a situação de hipossuficiência da impetrante deveriam ser levadas em conta, bem como fato de ser idosa e viúva.

Para ele, não restaram dúvidas de que o Estado reconheceu e se comprometeu a pagar o débito, mas que, em vez de fazê-lo, limitou-se a alegar que o mesmo estava prescrito.

Os desembargadores vogais Paulo Alberto de Oliveira e João Maria Lós acompanharam a decisão.

Justiça de MS nega pedido e mantém registro de paternidade socioafetiva
O TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) manteve registro de paternidade socioafetiva, aquela que não há vínculo biológico, mas efetivo, de...
MEC quer programa para ocupar vagas ociosas em universidades públicas
O Ministério da Educação (MEC) estuda criar ainda este ano uma nova modalidade do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), chamada Sisu Transferência, vo...
Mega-Sena acumula de novo e prêmio para sábado vale R$ 22 milhões
O segundo sorteio da Mega-Sena, desta semana que terão três, mais uma vez, voltou acumular, devido a falta de acertadores no prêmio principal. O sort...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions