A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


06/10/2014 09:46

Eleições são constantes; só não mudam programações de rádio e TV

Reinaldo Rosa

VIDA DURA – Na TV –e rádio-, após cada eleição, vai ao ar o mesmo de sempre; furos das pesquisas, derrotas de veteranos da Assembleia Legislativa – com entrada de novas caras -, dificuldade de entrega de urnas em locais de difícil acesso, etc. Editores quebram a cabeça. Ou não.

NÃO CONTE COMIGO – Jornalistas têm lado em momentos de eleições; principalmente não apoiar colegas de profissão. Radialistas que se aventuraram na disputa por uma cadeira na Assembleia Legislativa obtiveram apoio apenas de alguns amáveis ouvintes.

TÁ AÍ – Resultados das eleições de ontem comprovam que debates servem apenas como preenchimento das grades de programação de redes de televisão. Desconstrução da candidatura de Marina Silva foi espetáculo de ópera bufa.

É O SEGUINTE – Seguro da segunda colocação, Reinaldo Azambuja parou de ‘bater’ no Aquário do Pantanal. Amenizou ataques à administração peemedebista de olho nos apoios para o segundo turno (ou transtorno). Só faltou combinar com migrante siciliano.

PENSAMENTO – ‘Segundo turno é nova eleição’ é discutível; eleitor já tem nome de candidato preferido. Novidades ficam por conta de revistas de fim de semana (que anunciam o apocalipse) e engessados debates de TV com pequenas perdas para um dos lados.

FORA DOS BASTIDORES – Apenas Sérgio Cruz comenta choque de opiniões entre o governador André Puccinelli e integrantes da família Trad. Rega bofe entre eles, na mesma mesa, nem pensar, segundo deduções de análises feitas pelo jornalista.

COMO SEMPRE – Nos comitês e rádios de veículos duas emissoras da capital eram as mais sintonizadas. FM Capital e Rádio Cultura AM fizeram soar delícias –e decepções- nos ouvidos de interessados –direta e indiretamente- nos resultados das eleições de cinco de outubro.

HÁ VAGAS - Seleção convocada pela FM Capital para a cobertura das eleições prova que existem capacitados profissionais à disposição no mercado. A admissão de alguns poderia melhorar nível de atuais informativos radiofônicos. Dividir para somar é lei da lógica.

NÃO É À TOA – Mais do que debates televisivos e entrevistas radiofônicas valem estratégias de quem é profissional da política. Quieto, sem muito alarde e visibilidade midiática, João Leite Schimidt, presidente do PDT, conseguiu colocar três integrantes da sigla na Assembleia Legislativa na eleição de ontem. Sem contar Dagoberto Nogueira, eleito deputado federal.

NA REDE – “O resultado eleitoral de hoje aqui no MS prova algumas coisas: 1 - Pesquisas eleitorais erram. E muito. 2 - Em campanha como essa, "silenciosa", o dinheiro é que define mandatos dos deputados”. (Lúcio Maciel)

Comércio local fora do horário nobre
DE BRISA – TV Morena continua com tabela de preços discricionária em sua grade publicitária. No horário nobre não existe veiculação significativa de ...
TVE tem novidade na cobertura do futebol de MS
VÍDEO MONITORAMENTO - Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de Dourados instaura Inquérito Civil para investigar eventual irregularida...
Só Corumbá terá Carnaval na televisão
MAMÃE EU QUERO – Procura-se o responsável pelo apoio midiático e discriminatório do governo do Estado. Apenas a Festa de Momo, de Corumbá, foi privil...
Proposta do Grupo Zahran é notícia em Goiás
BABADO GRANDE – Fevereiro começou com grande bomba em Goiás, com os rumores sobre a venda da mais antiga empresa de comunicação local. O Grupo Jaime ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions