ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  02    CAMPO GRANDE 18º

De olho na TV

Ode aos pioneiros

Por Reinaldo Rosa | 17/02/2014 08:57

Não há como – nem motivos para - não perceber a importância da família Zahran no cenário de progresso de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Pior cego é aquele que quer enxergar. Parte do depoimento de Ueze Zahran concedido a Luciana Brasil, neste Campo Grande News, demonstra o que a família representa para o Estado e país.

ALGO MAIS – Além da casa que Ueze sonhava para os pais havia algo embutido nos possíveis – e nunca inatingíveis - objetivos da família Zahran, como um todo. Em vídeo no youtube (www.youtube.com/watch?v=Z9BkIvx5Os0) ‘seu’ Jorge preconizava melhores tempos para a TV Morena e região Centro-Oeste. Vale a pena ver de novo.

START – O Morena Esporte é mostra da força que a TV Morena deseja imprimir ao esporte local em suas diversas práticas. Com produção de qualidade – técnica e de profissionais - a atração tende a marcar espaço importante na nova linha de programação. Bola dentro a inclusão na pauta de vídeos de décadas que consagraram equipes de Mato Grosso do Sul.

OUTRA ÁREA – Demonstrando abertura à vontade dos espectadores, o jornalismo da emissora abre espaço para sugestões de temas (ou pautas) a serem abordadas. Há público que mantem expectativa de, um dia, a TV Morena criar programa nos moldes de Vídeo Show. Lançar mão de vasto arquivo que marcaram época nas diversas áreas de cultura, festivais musicais e antigos programas seria atração bem recebida.

FALA O QUE QUER – Certas atrações televisivas criam dificuldade para descrever seu real valor. É o que aconteceu no Provocações, da TV Brasil, na noite de sábado. A entrevista de deficiente auditiva que, garante, domina 32 idiomas foi de encher os olhos do mais passivo espectador. Mestre Antonio Abujamra submeteu-se à leitura labial de professora que não vê barreiras para conquistar seu espaço. Sensacional.

CALMA NESSA HORA – A alta qualidade de programas da TV Brasil não condiz com a falta de melhores equipamentos por parte da regional TV Brasil Pantanal. Maior aplicação neste item seria bem recebida por parte de espectadores exigentes por mais cultura nas programações televisivas e como forma de fugir da mesmice de redes puramente comerciais.

BRIGA DE TITÃS – Enquanto o campeonato de futebol sul-mato-grossense não chegar ao jogo final, vai durar a dúvida entre prestigiar o esporte local e/ou assistir às disputas de grandes times do eixo Rio-São Paulo por parte de torcedores. Registre-se o hercúleo esforço da crônica esportiva – escrita, falada e televisada - que não esmorece em seus objetivos de alçar o futebol do Estado a memoráveis marcas.

VC NA COLUNA – “Tá cada vez melhor sua coluna. Deve sim existir o debate de idéias, opiniões, e é nos erros e acertos que buscamos o nosso amadurecimento, e tenho certeza que pela vasta experiência que tens não só de vida, mas também como profissional, escritor, tens provocado essa não unanimidade de sua coluna. Se um dia todos os seus leitores apenas lerem e aceitarem sua opinião da forma que está, será a você, como parar no tempo. Que as críticas que recebes seja um combustível a mais nessa sua luta por uma melhor qualidade nas programações do rádio e da TV. Ninguém é perfeito. Uma sugestão: que tal falar da programação local da TV Brasil Pantanal? E da qualidade da imagem! Meus filhos assistem de manhã mas, infelizmente a imagem é ruim”. (Jacson Blanck)

VC NA COLUNA II – “Leio quase sempre a sua coluna, sobre as críticas recebidas é algo normal na vida. Uma vez um chefe me disse "quando muito te elogiam pode ter certeza que tem algo de errado". Então, continue com o trabalho, acertando ou errando, faz parte da profissão. Tenho que tirar o chapéu para o tópico 1ª VIA. Os profissionais que hoje entram no mercado, vivem da dependência da internet e do telefone, a preguiça e a má vontade tomam conta. São poucos que vão ao estádio e assistam ao jogo até o final, que fazem material diferente, que procuram personagens ou que ao menos questionam o entrevistado, cobrando soluções. Jornalismo realmente está chato de ver e de ler”. (Bruno Vaitti)