ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  05    CAMPO GRANDE 26º

De olho na TV

Rádio é causa de brigas entre vereadores

Por Reinaldo Rosa | 13/11/2013 09:39

A ERA DO RÁDIO - "A primeira rádio instalada em Campo Grande passou a operar em 1939, mas 15 anos antes, em 1924, diversos moradores da cidade já escutavam programas de rádio por meio de um aparelho que veio dos Estados Unidos". Esta é a parte inicial de texto do arquiteto e urbanista Ângelo Marcos Arruda, publicado em cinco de novembro. Fez lembrar Gabura -o eterno presidente do Rádio Clube- integrante daquela turma de ouvintes e que narrava tais fatos aos interessados na história do surgimento da agremiação social da capital.

ALÔ POTÊNCIA - Chiquinho Telles (PSD) acusou o prefeito da capital de fazer propaganda (pessoal) em programa de rádio. "O programa dele oferece dez cestas básicas aos ouvintes". Telles -que também se vale de verbas de gabinete para manter programa de rádio- resume em números o que considera desleal concorrência. "Enquanto ele dá várias, eu só dou uma". Quando está no ar. Claro.

E OS OUTROS? - Vereador Airton Saraiva reclama da atuação do prefeito Alcides Bernal e o, também vereador, Cazuza por comandar programa na rádio Cidade FM. Alerta que "estamos analisando a legalidade disso. Assim não pode ficar". Caso legisladores que ocupem espaço que não lhes pertence saiam do ar, a população de profissionais habilitados agradecem pelo tardio simancol.

DEIXA COMIGO - O edil Otávio Trad prometeu que uma Comissão da Câmara "vai agir com mais rigor sobre o fato" -de Bernal estar à frente de programas de rádio, na capital-. Radialistas e jornalistas -que estão fora do ar- ficam na torcida para que todos os invasores inabilitados desocupem o espaço. Ou a moita.

LA TAMBÉM - A maioria (dos empresários de rádio) transformou a concessão em verdadeiras casas de aluguel ou templos eletrônicos em grande parte dos casos, num problema que não se resume mais aos prefixos do interior, mas que já atinge há algum tempo as principais capitais. E este, como também é um problema político, ninguém se interessa em mexer por causa dos votos que podem representar. As bancadas religiosas crescem a cada eleição. Como se vê, estamos diante de uma questão que dificilmente as nossas autoridades terão coragem ou disposição de enfrentar. Pobre rádio. Texto de Flávio Ricco sobre emissoras de São Paulo.

SE A ELEIÇÃO FOSSE HOJE - Pesquisa sem fins científicos -a partir de manifestações neste espaço- fornece dado interessante a proprietários (ou futuros) de emissoras e rádio, na capital. É grande a vantagem dos que imploram por franquia de qualquer emissora de rádio de outros centros do país. O argumento é de que só assim poderia haver algo diferente no ar. "Abaixo a mesmice", alegam os votantes favoráveis.

FALA POVO - "Considero todos os radialistas "meus parceiros". Todos. Sem exceções. Estou neste ramo há tempo suficiente para ter o respeito dos "meus parceiros". Joãozinho, casado há 40 anos com a Mariazinha, não entende de mulher. Entende de Mariazinha. Eu conheço de Rádio porque tenho 23 emissoras no curriculum. Boa parte delas classificada entre as maiores do Brasil. Por dever de informar com correção, o presidente do Sindicato chama-se Ricardo Ortiz. Lúcio Maciel pediu afastamento temporário da função. Os comentários feitos aqui na coluna, foi (sic) no sentido positivo de contribuir. Como "Leitor", acrescento que falta "estofo" ao espaço para cumprir o objetivo que foi proposto". Ely Leal

FALA POVO II - "Receio tornar-me antipático por tantas participações em sua coluna. Mas impossível silenciar. Este espaço tem se tornado, a cada dia, um ponto de discussão sobre esse importante instrumento da sociedade, o rádio. Por ousadia, sugiro até que se mude o "nome" da coluna: "De olho na TV" ficou pequeno. Indo ao assunto: parabéns pelo tópico "DE CARA COM GABI" (coluna de 11/11). Eu mesmo fui um dos que ouviu rasgados elogios à democracia vivenciada em meu falecido programa, especialmente pelos vereadores Airton Saraiva e Mario César, exatamente dois dos articuladores do covarde ataque que perpetrariam dias depois contra mim. Os tiranetes ainda em atividade agora tentam fazer escola, aplicando castigo semelhante a outras emissoras. Precisamos estar atentos". ERALDO MACIEL

R DO R - Use este espaço sem moderação. Ele é de todos.