A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


03/07/2013 09:26

Ritos e mitos do rádio e TV

Reinaldo Rosa
Ausente das novelas, desde O Salvador da Pátria, Lúcia Veríssimo volta em Amor à Vida como mãe de Paloma (Paolla Oliveira).Ausente das novelas, desde O Salvador da Pátria, Lúcia Veríssimo volta em Amor à Vida como mãe de Paloma (Paolla Oliveira).

COMUNICAÇÃO COM. E IND. – A proliferação de faculdades de comunicação formou geração de neo jornalistas que primam pela igualdade e mesmice. Bastou que um ‘iluminado’ da rede Globo decretasse o fim de citações de nomes e imagens de empresas não anunciantes da emissora para todos os segmentos de imprensa copiar a infeliz iniciativa.

BESTEIROL – Atos e ‘decretos’ antipáticos não assumidos por idiotas que se escondem sob o manto do anonimato. Tradução livre do autor da coluna.

PONTO ‘S’ – Enquanto outro visitante ilustre não cometer a gafe da troca do ‘T’ pelo ‘S’ do estado, a surrada pauta da correção está parada. Ao que parece, o jornal diário O Estado colocou o nome correto de Júlio de Castilhos (com ‘s’ no final) em seu manual de redação.

ADONILDO SANTOS – A volta às atividades pelo repórter Adonildo Santos, da Rádio Caçula, de Três Lagoas, foi noticiado pelo mesmo jornal citado anteriormente. A correspondente três-lagoense Gisele Mendes teve o ‘cuidado’ de omitir o nome da emissora que o profissional trabalha. Quinem na Globo.

GORDURA DO PODER – Sites, jornais impressos, repetidoras de TVs locais e impertinentes fotógrafos amadores exibiram o bom estado físico dos envolvidos na trama da saúde, de Campo Grande. Todos fofos; para dizer o mínimo.

REVER DITO E FEITO – Nada mais pertinente do que realizar as oitivas da CPI da Saúde, na Câmara Municipal de Campo Grande, no Plenário Edroim Reverdito. Humor cameral.

REVENGE – Certamente descontente com ações do liderado, o O Estado ilustra a matéria com foto onde o líder Alex do PT aparece a pleno sono. Tal como órgãos de imprensa faziam com antigo –e respeitado- ex-governador do estado.

PAUTA PERDIDA – A matéria da jornalista Carla Vilhena, no Fantástico, sobre o casamento dos new richies Naldo e Moringuinha, não mudaria a história do Brasil caso não tivesse sido feita. Passeatas contra o abuso de investimentos nos doze estádios brasileiros podem ganhar outro texto. Quem saiu de onde eles vieram não entra. Vivem uma nova ordem social. Coerente.

BARRACO - A reportagem que a jornalista apresentou no "Fantástico" provocou o comentário do empresário Bruno Chateaubriand, segundo o qual “essa jornalista casou de luvas. Será que a Moranguinho também vai casar de luvas?". Pelo Twitter, Vilhena retrucou: "não podendo ser a noiva, restou-lhe implicar com as luvas". Muitos consideraram a resposta homofóbica.

FALA RESPONSÁVEL – (Sobre colegas que escondem nomes de jornalistas de outras emissoras locais). “Este é o lado careta e monocórdico do provincianismo vesgo. Isso não é de hoje, o que prova que empresas de comunicação locais ainda não conseguiram se descobrir como verdadeiras empresas de comunicação. Mas não é só aqui. Em nível nacional as emissoras de tevê, com raras exceções, fazem o mesmo. Ou pior, como a Globo, que proíbe contratados de aparecer em outros canais”.

Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



"A proliferação de faculdades de comunicação formou geração de neo jornalistas que primam pela igualdade e mesmice". O que tem a ver as faculdades de comunicação com as decisões do patronato? Meu caro recém formado não apita nada nos meios de comunicação! Sinceramente não entendi essa associação...
 
Jonas Tralli em 04/07/2013 12:58:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions