ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 28º

Em Pauta

Chamando os bois pelo nome correto

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 27/11/2017 06:32
Chamando os bois pelo nome correto

Há um novo nome que é o epítome dessa tendência enervante de dar nomes diferentes às coisas para que tenham aparência mais nobre. Isto de chamar "colaboradores" aos trabalhadores, ou "parceiros" aos fornecedores, e por aí afora. Gays, afro-descendentes, povos primitivos e uma extensa lista de mudanças de nomes que não mudam coisa alguma.
Há, agora, nos Estados Unidos, uma nova invencionice: "co-living". Não passa do antigo dividir o quarto com outra pessoa. Isso é mais velho que andar para a frente ou beber água. Milhões de pessoas, especialmente estudantes, algum dia da vida já dividiram um quarto. Chamar isso de "co-living" é apenas uma forma criativa de não dizer o óbvio. Viver em um quarto com outra pessoa estranha aos 20 anos pode ser interessante. Aos 30 ou 40 anos é indesejável sob todos os aspectos. Não é "trendy", é horrível. Não há marketing que chegue para mascarar a realidade de que está cada vez mais difícil pagar casa sozinho. Chegamos ao momento que não podemos nem mesmo ter um quarto para viver. As ideias de economia compartilhada chegaram à casa. É quase insultuoso. Ter 50 anos e viver com outras 9 pessoas, dormindo em beliches, e chamar de "estilo de vida moderno". Isso é mais uma instância em que algumas cabeças que não conseguem criar algo útil, dão ao que é velho uma nova roupagem, para depois dizerem que inventaram uma coisa nova. É bom que haja alternativas em tudo, e a economia compartilhada têm muitas vantagens. O que não podemos é esquecer-nos da erosão que traz em tantos outros aspectos e achar que já não é preciso atacar a raiz de tudo isso: uma galopante iniquidade.

Chamando os bois pelo nome correto

A deliciosa bebida de Satanás, cabras saltitantes e a primeira multinacional.

A despeito do nome "Coffea arabica", o arbusto do café originalmente crescia selvagem na Etiópia. É, portanto, africano e não árabe. Ele ganhou fama quando foi cultivado no Iêmen dos árabes, no século XV. Segundo a lenda, foi descoberto pelo pastor de cabras Kaldi. Quando o pastor foi reunir seu rebanho de cabras no final de uma tarde, as descobriu atipicamente excitadas, levantando as patas, dando cabeçadas e nada dispostas a voltar para casa. Provando os frutos vermelhos que elas haviam consumido, ele descobriu a razão. As frutas davam uma prazerosa sensação de formigamento, começando na língua e espalhando-se pelo corpo.
A descoberta da infusão está relacionada ao islamismo no Iêmen. O imã do mosteiro de Shehodet decidiu investigar o estranho comportamento das cabras saltitantes. Fez uma infusão com o grão torrado do fruto que o pastor dissera ter "enfeitiçado" as cabras. Assim é descrita essa experiência: "Em poucos instantes, o imã do mosteiro de Shehdet ficara como que encantado. Estava em um estado de embriaguez diferente de todas as conhecidas até então por seu povo. Sendo muçulmano fervoroso, o imã não tinha experiencia de embriaguez. Mas, embora tenha quase perdido a consciência do seu corpo, a mente estava atipicamente ativa, satisfeita e alerta".

Chamando os bois pelo nome correto

Satanás bebe café.

A jornada global do café começou com a conquista do Iêmen pelos otomanos no século XVI, abrindo o império para a nova bebida. Em 1554, um empresário de Aleppo se associou a outro de Damasco para abrir o primeiro café de Istambul. Foi um fenômeno. Em pouco tempo, cavalheiros despreocupados, homens em busca de distração, professores e poetas estavam lotando o café. Eles liam, jogavam gamão e escutavam poesia, mas não frequentavam muito a mesquita. Os cafés eram chamados de "escolas do conhecimento". Também injetaram algo novo na sociedade mulçumana. Os cafés deram a todos os homens a oportunidade de sair de casa a qualquer hora e criaram novos hábitos sociais que não eram aceitos antes. Foi um hábito que se espalhou para muitas sociedades do mundo depois de conquistar a Europa.
O fascínio italiano por essa bebida amarga foi motivo de preocupação para cristãos devotos. Em 1592, o papa Clemente VIII foi convocado para resolver uma disputa entre o clero sobre o crescente vício dos cristão no chamado "vinho islâmico". Antes de dar seu veredicto, o papa tomou um gole e exclamou: "Por quê? Esta bebida de Satanás é tão deliciosa que seria uma pena deixar os infiéis terem exclusividade dela. Devemos enganar Satanás a batizando".

Chamando os bois pelo nome correto

A primeira multinacional foi a de café.

O empreendimento que os comerciantes assírios conduziam à partir da Anatólia no terceiro milênio a.C., muito antes dos otomanos dominarem o mundo árabe, foi chamado de primeira multinacional do mundo. A definição de multinacional com substancial investimento estrangeiro direto e envolvido no comércio entre países certamente pode ser aplicado a essas formas embrionárias de empreendimentos. Mas a formação de monopólios comerciais estatais, como a Companhia das Índias Orientais inglesa e holandesa no início dos anos 1600, marcou um novo estágio e antecipou a ascensão das empresas globais. Elas eram por volta de 500 no final do século XVII, mas as multinacionais aumentaram para mais de 63 mil hoje.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário