ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 29º

Em Pauta

Pesquisa: é possível prever o que acontecerá com as bactérias

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 28/01/2024 08:00
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Um informe elaborado pelo governo britânico em 2016 alertou que os micróbios resistentes aos medicamentos - especialmente as bactérias - já matavam 700.000 pessoas a cada ano no mundo. E pior, esse documento demonstra que brevemente 10 milhões de pessoas falecerão devido à resistência das bactérias aos antibióticos. É um número superior aos falecidos por câncer. Mas agora surge uma nova luz no fim desse túnel. É possível prever o que acontecerá com a evolução das bactérias a curto prazo.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

O grande criador de bactérias.

Richard Lenski, da Universidade de Michigan, nos EUA, iniciou em 1.988 um dos experimentos mais audazes da história da biologia. Começou a criar doze populações de bactérias idênticas em recipientes independentes, para contemplar diretamente sua evolução. O projeto duraria só poucos meses, mas os resultados foram tão fantásticos que a universidade está há mais de 35 anos cuidando dessa experiência dia a dia. A constatação é de que a evolução é previsível até a curto prazo.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Sete gerações por dia.

O trabalho de Lenski foi titânico. A bactéria cultivada é a Escherichia coli, presente no intestino humano. Em um só dia, essa bactéria produz sete gerações. As doze populações iniciais de bactérias viveram esse tempo todo só de água, sais e glicose, mas o resultado é surpreendentemente diferente em cada recipiente contendo essas bactérias. Por exemplo, na geração 31.500, uma das colônias aprendeu a viver com citrato de sódio, um dos ingredientes até então repudiado por todas as E.coli. De fato, essa que come citrato de sódio, é uma nova espécie. Estão sendo observadas milhares de mutações. E as consequências desse trabalho podem dar saídas para os humanos combaterem bactérias,  até então impensáveis. É possível imaginar que dentro de algum tempo seremos capazes de prever o futuro de bactérias que nos causam doenças. Ou de como um vírus salta de um pangolim e passa a atacar os seres humanos.

Nos siga no Google Notícias