A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


13/09/2017 11:11

O que mudou no cálculo da poupança?

Emanuel Steffen

Você já deve ter ouvido falar que algo mudou na forma de calcular a rentabilidade da poupança. Essa alteração ocorreu após a decisão do Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na semana passada, de levar a taxa básica de juros da economia, a Selic, a 8,25% ao ano. Neste texto você entende como funciona o novo cálculo e como ele afeta o seu bolso. Desde 2012, o cálculo da poupança segue uma regra que muda sempre que a Selic atinge 8,5% ao ano. Assim, existem dois cenários possíveis: 1 - quando a Selic está igual ou acima de 8,5% ao ano a caderneta rende 6,27% ao ano + Taxa Referencial (TR); 2 - quando a Selic fica abaixo de 8,5% ao ano a caderneta passa a renda 70% da Selic + Taxa Referencial (TR).

Como a queda da Selic reduz diretamente a rentabilidade de diversos investimentos em renda fixa, essa regra foi criada para evitar que a poupança passasse a render mais do que outros ativos – inclusive os títulos públicos – e dificultasse a captação de recursos por parte do governo. Quando chegou a 8,25% ao ano na semana passada, portanto, a taxa básica de juros ativou o gatilho que altera a rentabilidade da poupança, e essa passou a valer menos: 5,77% ao ano + TR. Mesmo com o retorno menor, entretanto, isso não significa que a investidora deva abandonar completamente a poupança – não sem antes fazer as contas. E há dois principais motivos para isso.

Primeiramente, é preciso considerar que a caderneta continua com ganhos superiores à inflação – já que o IPCA medido em agosto para 12 meses ficou em 2,46% – e, por isso, ainda vale para formação de reservas de emergência. Além disso, diversos investimentos em renda fixa são impactados pela queda da Selic – o que significa que também estão com resultados menos atrativos. Assim, o único jeito de saber qual aplicação está realmente valendo mais a pena é fazendo as devidas comparações. Simulações feitas pela Anefac, por exemplo, mostram que a poupança continua mais vantajosa do que os fundos de investimento em diversos cenários, principalmente quando a taxa de administração ultrapassa 1%. A poupança hoje só perde para os fundos independentemente do prazo quando a taxa for inferior a 0,5% ao ano.

Mas claro: isso não significa que você não possa fazer negócios muito mais interessantes do que a poupança com outros produtos conservadores, como Tesouro Direto, CDBs, LCIs e fundos DI. No Tesouro Selic, por exemplo, já é possível ultrapassar a rentabilidade da caderneta com investimentos superiores a 1 ano. Da mesma forma, é possível encontrar LCIs com rendimento próximo a 90% do CDI. O mais importante nessa escolha é entender qual será o desempenho de cada produto, considerando os seus objetivos, a rentabilidade oferecida, prazo de resgate, taxas cobradas e tributação. Só a partir dessa análise você poderá tomar a melhor decisão para o seu bolso.

Fonte: Mariana Ribeiro\ finanças femininas.uol. Disclaimer: A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

Tabelamentos, soluções mágicas e a ruína da América Latina
Segundo Albert Einstein, fazer a mesma coisa e esperar um resultado diferente é sinal de loucura. Muitos políticos latino-americanos devem ser loucos...
“Justiça social” e o poder estatal
Se você perguntar a dez progressistas o que significa justiça social, você terá dez respostas diferentes. E é assim porque "justiça social" significa...
Pseudointelectuais X Capitalismo
Por que os intelectuais sistematicamente odeiam o capitalismo? Foi essa pergunta que Bertrand de Jouvenel (1903-1987) fez a si próprio em seu artigo ...
O impacto do blockchain na economia mundial
No ano passado, uma das criptomoedas mais conhecidas dos últimos tempos sofreu uma supervalorização, chegando a ser cotada a quase US$ 20 mil. O boom...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions