A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/12/2016 16:13

Jr. Mochi, forte no PMDB e respeitado no Governo

Manoel Afonso *

CLARO - Cada eleição de mesa diretora tem lá seus mistérios ou temperos. Todos parlamentares tem direito a sonhar com um lugar ou cargo que irá render destaque, privilégios e dividendos eleitorais. Também nesta hora, não existem ingênuos.

REPETECO - Sendo os grupos definidos: PMDB, PSDB, PT - é fácil acompanhar as movimentações na Assembleia Legislativa. Tentativas de manobras, ações de ‘rebeldes de ocasião’ sucumbiram às lideranças maiores e aos interesses do Governo Estadual.

CONFIRMADA - Assim a mesa diretora desenhada há tempos. Os deputados Jr. Mochi (PMDB) e Zé Teixeira (DEM) representam os dois maiores grupos, com a participação do PT mais uma vez na mesa. Ora bolas! Se o remédio tem dado certo, não se deve trocar a receita. Concorda?

POR ANALOGIA - a mesma receita de êxito deve ser repetida na Câmara Municipal de Campo Grande. O vereador João Rocha (PSDB), pelo equilíbrio na postura, é nome de consenso entre as lideranças maiores, com as bênçãos do Governo Estadual inclusive.

ANO NOVO - O Governo Estadual sabe que as novidades de 2017 ficarão por conta das dificuldades e dos ajustes da PEC do Teto. Haverá barulho nas galerias da Assembleia Legislativa, os sindicalistas petistas que se conscientizem: o PT quebrou todo o país.

A IMAGEM -  política de MS finda o ano desgastada na mídia. O ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido) saiu da cadeia e ficou sem o mandato; José Carlos Bumlai em cana; o deputado estadual João Grandão (PT) tenta reverter decisão de 2ª. instância que o condenou a prisão; vereadores da capital levados a depor no Gaeco;deputado federal Vander Loubet (PT) enrascado na Lava Jato; ex-deputado Edson Giroto (PR) preso duas vezes; preso, o ex-prefeito Gilmar Olarte (Pros) renunciou ao cargo de vice; gravação entre deputados orienta a fraudar lista de presença de funcionários; Gaeco faz diligências na Câmara Municipal da capital. Em 2017 a ‘festa’ continua?

‘CEGUEIRA’ - O pessoal da Receita Federal persegue os mais fracos por quantias irrisórias e não vê o enriquecimento dos políticos. Um filho do ex-presidente Lula (PT), 2º auxiliar do treinador de goleiros do Palmeiras, aumentou o patrimônio 770 vezes num ano. O cara é ‘bom’, né!
AVISO - Professores sindicalistas e invasores das escolas contrários à reforma do ensino médio precisam ler os números da avaliação mundial dos estudantes do ensino médio. Estamos à beira do abismo! O senador Pedro Chaves (PSC) tem batido corretamente pela sua mudança urgente.

FORMIDÁVEIS - as variantes de desculpas dos políticos. O deputado estadual Paulo Corrêa (PR) alega que apenas usou o termo errado naquele diálogo (gravado) com seu colega de parlamento Felipe Orro (PSDB). Já o ex-ministro Jacques Wagner (PT) delatado na Lava Jato, confirma: ganhou um relógio da Odebrecht e dispara: “mas nunca usei”. Logo alguém alegará que recebeu o dinheiro de propina em pacotes, mas não usou por questão de princípios.

É PREFERÍVEL - um fim terrível do que um terror sem fim’. Se a queda da ex-presidente Dilma (PT) parou o país por meses a fio, seu sucessor lembra aquele médico inseguro e sem auxiliares confiáveis diante do paciente esquálido com a barriga aberta.

A PERGUNTA - Se esse Governo sucumbir, ficando vazio o cenário do poder, quem estaria preparado e disposto a assumir o comando da nau à deriva? Ora! Os capazes e bem intencionados fugiriam deste ambiente pantanoso e contaminado pela corrupção.

EQUÍVOCO - Os prefeitos pediam e o Governo dava dinheiro para aquele programa ‘fundo de várzeas’. Essas enchentes que hoje ocorrem na capital e nas grandes cidades são decorrentes das intervenções nos caminhos naturais das águas. Asfaltaram tudo, não deixando espaços para as infiltrações no solo. E vai piorar.

AJUIZADOS? - Tenho conversado na Assembleia Legislativa com futuros prefeitos e vereadores. Atentos as condenações havidas no Tribunal de Contas do Estado e na Justiça comum, prometem seguir a risca as recomendações legais. Aliás, o reeleito presidente Waldir Neves (Tribunal de Contas) diz que a boa vontade de orientar é proporcional ao rigor de penalizar.

ALELUIA - Sempre achei; a lei do crime de desacato ao funcionário público trazia um exagero. Protegia o funcionário azedo/despreparado tornando-o imune ao cometer excessos, tratando mal o contribuinte, inibido de reclamar pelos seus direitos. Com a descriminalização, funcionário e contribuinte passam a ser iguais.

EM FRENTE - O Secretário Estadual da Administração Carlos Alberto de Assis é um pé de boi, cumpridor de missão e querido no Governo. Revigorado, agradou mais uma vez com seu evento de homenagear e reconhecer a atuação dos funcionários públicos. Como se diz: agradar é tão fácil.

SERGIO LONGEN - Como presidente da Federação das Indústrias de nosso Estado é figura cada vez mais inserida no contexto sociopolítico. Suas ações sinalizam que não ficaremos à margem da nova revolução industrial. Como eu digo: existem duas FIEMS: antes e depois do Longen.

É POSSÍVEL - servir na administração pública sem perda dos valores éticos e não ficar contaminado pela corrupção? Sim. José Marco da Fonseca, futuro Secretário Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano em Campo Grande é um exemplo a ser seguido pelos seus colegas secretários anunciados pelo prefeito eleito Marcos Trad (PSD).

PONTO FINAL - Nestes embates em Brasília fica explícita a ‘Lei de Gerson’ pelos poderes envolvidos. Todos defendendo seu pirão sob os mais diferentes argumentos e formas. Ninguém está disposto a fazer a lição de casa, dando exemplo e cortando os gastos e vantagens. Como diz o caipira: onde vamos parar em 2017? Se não é o país que queremos, é o Brasil que temos.
‘O povo é aquela parte do Estado que não sabe o que quer’. ( Hengel)

Os desafios do candidato Jr. Mochi
E AGORA? Inegáveis o bom conceito e a simpática imagem do deputado estadual Jr. Mochi – no exercício do mandato, fora dele ou ainda por onde passou a...
Convencer o eleitor - a difícil missão.
INTERESSANTE Num país onde a classe política está desacreditada mesmo com 35 partidos regularizados as eleições prometem em nosso Estado um clima de ...
André ajuda ou atrapalha Simone?
EMBORA as negociações políticas ainda estejam em curso nos bastidores, mesmo a distância não é difícil perceber que até aqui o grupo político ancorad...
Corrupção, alegra poucos, desgraça muitos
SEMÁFORO Será que nossos políticos sabem o significado de seus sinais? Fico observando as suas manobras e planos antes da campanha começar e vem à ca...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions