ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 28º

Saúde Viva

Tratamentos Offlabel e o labirinto do acesso à saúde

Desafios na busca pela vida

Por Anaísa Banhara (*) | 22/03/2024 16:43

A possibilidade de acesso a tratamentos offlabel no Brasil, seja através de planos de saúde ou do Sistema Único de Saúde (SUS), é uma encruzilhada que coloca em evidência a complexidade do sistema de saúde brasileiro. Como estabelecer uma relação efetiva quando a esperança de salvar vidas reside em tratamentos fora dos protocolos convencionais?

 O termo "offlabel" refere-se ao uso de medicamentos para finalidades não previstas em suas indicações aprovadas. Ou seja, é a aplicação de um tratamento que não está oficialmente reconhecido para determinada condição. Essa prática pode ser crucial em situações onde as alternativas convencionais não são eficazes. Diagnosticar a necessidade de um tratamento offlabel muitas vezes é uma tarefa complexa. A avaliação de especialistas, exames detalhados e a busca por evidências científicas que respaldem a eficácia do tratamento são passos essenciais para fundamentar a solicitação junto ao plano de saúde ou ao SUS.

 O acesso a tratamentos offlabel pelo plano de saúde é frequentemente uma via labiríntica. As negativas são comuns, sendo essencial a compreensão do paciente sobre seus direitos. O Código de Defesa do Consumidor e decisões judiciais respaldam a busca por tratamentos que, embora não estejam nos protocolos, sejam fundamentais para a vida. No âmbito do SUS, a complexidade na tomada de decisões sobre tratamentos offlabel também é evidente. O sistema público de saúde enfrenta desafios financeiros e estruturais que muitas vezes limitam a oferta dessas alternativas, deixando pacientes à mercê da burocracia e das barreiras de acesso.

 A busca por tratamentos offlabel esbarra muitas vezes na exigência de evidências científicas. Embora a prática seja respaldada por estudos e relatos de casos, a rigidez burocrática pode se tornar um obstáculo, demandando um equilíbrio entre a segurança do paciente e a urgência do tratamento. A judicialização da saúde, apesar de ser uma opção válida, reflete a fragilidade do sistema em atender às necessidades dos pacientes sem recorrer ao Poder Judiciário. O direito à saúde, assegurado pela Constituição de 1988, muitas vezes precisa ser defendido nos tribunais para que tratamentos offlabel se tornem acessíveis.

 Os desafios éticos na busca por tratamentos offlabel são inegáveis. Questões sobre a segurança, eficácia e distribuição justa desses tratamentos destacam a necessidade de uma abordagem humanitária que priorize a vida e o bem-estar. Em uma sociedade comprometida com o direito à vida e à saúde, como podemos avançar coletivamente para garantir o acesso a tratamentos inovadores e, muitas vezes, a última esperança para pacientes? A responsabilidade coletiva em repensar os sistemas de saúde e promover um ambiente mais ágil e inclusivo é essencial para assegurar que a busca pela vida não seja um labirinto intransponível.

Anaísa Banhara 

Nos siga no Google Notícias