ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 30º

Saúde Viva

Navegando nos desafios do plano de saúde

Direitos, Recusas e Busca por uma Saúde Plena

Por Anaísa Banhara (*) | 14/03/2024 15:50

Quando buscamos um plano de saúde, esperamos a tranquilidade de contar com assistência em momentos de necessidade. No entanto, a realidade para muitos é a complexidade de lidar com autorizações, recusas e idas e vindas burocráticas, especialmente quando o tratamento necessário é negado. O contrato com o plano de saúde estabelece uma relação jurídica entre as partes, regida pelo Código de Defesa do Consumidor. A recusa injustificada de um tratamento pode configurar descumprimento contratual, e o consumidor possui o respaldo legal para buscar a efetivação de seus direitos.

 A Constituição, em seu artigo 196, assegura a todos o direito à saúde. Quando o plano de saúde se recusa a cobrir um tratamento, a negação deve ser fundamentada e não pode infringir esse direito fundamental. A legislação vigente respalda a busca por tratamentos necessários à preservação da vida e saúde. Diante de recusas, a advocacia na área da saúde surge como aliada. Advogados especializados e a Defensoria Pública, podem analisar os casos, avaliar a legalidade da recusa e orientar sobre os próximos passos, seja através da negociação com a operadora do plano ou pela via judicial, se necessário.

 A judicialização da saúde, embora possa ser eficaz, é muitas vezes vista como último recurso. Recorrer ao judiciário é um direito do cidadão, mas idealmente, a resolução dos conflitos deveria ocorrer por meio de negociações e conciliações, evitando um desgaste maior para o paciente. As agências reguladoras, como a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), têm o papel de fiscalizar e regulamentar os planos de saúde. Denúncias de recusas injustificadas ou demora nos procedimentos podem ser feitas a essas entidades, que têm o dever de intervir em defesa do consumidor.

 O cansaço diante dos desafios burocráticos é compreensível. A busca pela autorização para tratamentos necessários não deveria ser uma maratona. A exaustão emocional gerada por processos morosos evidencia a necessidade de melhorias nos sistemas de aprovação e atendimento dos planos de saúde. O impacto emocional de lidar com recusas constantes pode ser significativo. O suporte psicológico se torna uma ferramenta valiosa para auxiliar o paciente a enfrentar não apenas os desafios físicos, mas também os aspectos mentais e emocionais associados à batalha por tratamentos adequados.

 O empoderamento do consumidor é essencial. Conhecer seus direitos, buscar informações sobre o plano de saúde, e, se necessário, contar com o auxílio de profissionais jurídicos são passos fundamentais para não apenas enfrentar os desafios, mas também para promover mudanças no sistema.

 Encerramos com uma reflexão sobre a saúde como direito fundamental. A burocracia e as recusas nos planos de saúde não deveriam ser obstáculos à busca por uma vida plena. Em um país comprometido com os princípios constitucionais, é imperativo que todos tenham acesso facilitado a tratamentos que garantam a preservação da vida e da saúde. A reflexão não é apenas sobre superar desafios individuais, mas sobre como coletivamente podemos contribuir para um sistema de saúde mais eficiente, justo e centrado no bem-estar do cidadão.

Anaísa Banhara

Nos siga no Google Notícias