ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 23º

Trilha Orgânica

Sair da rotina alimentar pode ser mais fácil do que parece

Incluir as PANC na alimentação é garantia de sair da monotonia alimentar e ganhar ainda mais sabor e saúde

Por Márcia Chiad (*) | 09/03/2022 11:00

PANC – Plantas alimentícias não convencionais

Quando incluímos verduras, frutas e legumes na nossa alimentação já não é novidade pra ninguém que ganhamos mais saúde e vitalidade. Mas quando a gente fala em sair da monotonia alimentar, inovar naquela conhecida salada de tomate, alface e cebola, ou no suco verde de todo dia, que leva sempre os mesmos ingredientes, muita gente tem dificuldades.

Mas se a gente olhar com atenção para o nosso quintal e buscar conhecer melhor aquelas ervinhas que brotam espontaneamente sem ninguém ter plantado, podemos ter um grande tesouro alimentar à nossa disposição.

Azedinha - Imagem: Arquivo pessoal
Azedinha - Imagem: Arquivo pessoal

Sabe aquele trevinho que insiste em brotar e rebrotar no meio da grama e quanto mais a gente arranca mais ele renasce? Pois é, esse trevinho, o Oxalis latifolia, também conhecido por azedinha é um dos exemplos das plantas alimentícias não convencionais que podemos inserir na nossa alimentação. Tem sabor delicado, como o próprio nome diz, azedinho, que pode fazer parte das nossas saladas, sucos, e molhos. Um pesto de azedinha é simplesmente divino! Isso sem contar com as propriedades medicinais do trevo azedo, rico em vitamina C, calmante do fígado e diurético.

Caruru, celósia, dente de leão, hibisco, ora-pro-nóbis e por aí vai. São tantas as possibilidades que temos para melhorar a nossa alimentação e acrescentar nutrientes que estão em abundância em nossos quintais e passam desapercebidas pelos nossos olhos.

Celósia - Imagem: Arquivo pessoal
Celósia - Imagem: Arquivo pessoal

É só começar pelas mais conhecidas e ir acrescentando aos poucos as plantas alimentícias não convencionais na alimentação do dia-a-dia e só assim vamos saindo da monotonia alimentar que tanto nos aprisiona. Só pra lembrar que no Brasil nós temos mais de 3 mil espécies de plantas com potencial alimentício.

Hibisco - Imagem: Arquivo pessoal
Hibisco - Imagem: Arquivo pessoal

Mas não posso deixar de registrar que é preciso conhecer minimamente as plantas que podem ser consumidas com segurança e saber a forma de preparo. Na internet encontramos inúmeras receitas e indicações, mas sugiro duas publicações importantes para quem quer conhecer com mais segurança e profundidade as PANC: o livro Matos de Comer, do Guilherme Ranieri e a publicação do Instituto Plantarum, Plantas Alimentícias Não convencionais no Brasil, de Valdely Kinupp e Harri Lorenzi.

A partir daí é só começar a experimentar novos sabores, texturas e ganhar muita saúde!

(*) Márcia Chiad é Jornalista, Agricultora Urbana, apaixonada por plantas comestíveis e idealizadora do @recantodaservas.

Ora pro nobis - Imagem: Arquivo pessoal
Ora pro nobis - Imagem: Arquivo pessoal


Nos siga no Google Notícias