A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Abril de 2019

03/12/2018 11:25

Merendeira trans denuncia à polícia 7 meses de ofensas homofóbicas

Denúncia ainda não foi formalizada na Semed, mas Prefeitura pontua que tomará medidas cabíveis se o caso for confirmado

Danielle Valentim
Entrada e saída de alunos na escola municipal.(Foto: Gerson Walber)Entrada e saída de alunos na escola municipal.(Foto: Gerson Walber)

Uma merendeira trans de 37 anos, que prefere não ter o nome divulgado, decidiu procurar a Polícia Civil alegando que há sete meses sofre perseguição e ofensas homofóbicas em escola municipal, na Vila Cidade Morena, em Campo Grande. Ela atribui o comportamento a outra servidora da unidade escolar.

A vítima relata que trabalhava em um Ceinf nas Moreninhas e pediu transferência para a escola da Cidade Morena, por conta da proximidade de sua residência. No entanto, desde a chegada à unidade escolar, em abril deste ano, diz que passou a sofrer ataques e ofensas do tipo: “O que essa coisa está fazendo aqui?” Ou “Por isso que eu não queria essas coisas aqui”.

Suspeita das ofensas, que também terá o nome preservado, chegou a questionar a direção por ter aceitado a transferência da funcionária trans, segundo o relato que consta do boletim de ocorrência. 

Dois boletins foram registrados na Polícia Civil sobre a situação. O primeiro foi feito no dia 23 de novembro e o segundo na última sexta-feira (30), data da eleição de uma nova diretoria. Nesta segunda vez, a merendeira detalhou as ofensas e relatou ameaça da colega de trabalho após vitória da nova diretoria: “Agora sim essas coisas serão transferidas”.

“Eu já queria ser transferida, porque agora estou morando no Universitário e para ser sincera eu nem iria denunciar, mas não dá para essas coisas continuarem acontecendo. Na terça-feira irei à Semed levar os B.Os, quero denunciar para que isso não continue acontecendo”, disse a merendeira.

A Polícia Civil ainda vai ouvir os envolvidos no caso, que foi registrado como injuria, crime com pena prevista de um a seis meses.

Em nota, a Semed (Secretaria Municipal de Educação) informou que os canais de denúncias, como a Ouvidoria e a Sugenor (Superintendência de Gestão e Normas), ainda não receberam o caso formalmente, no entanto, ressaltou que a Secretaria prima pelo atendimento ao regimento escolar de suas unidades e irá verificar a situação. Em caso de comprovação do fato, a Secretaria de Educação tomará as medidas cabíveis.

Direto das Ruas – A sugestão chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, canal de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99955-2040, pela ferramenta Fale Conosco ou por mensagem enviada via Facebook.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions