ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 16º

Economia

Ação quer fazer pequenos empreendedores economizarem até 35% na conta de energia

Migração para Mercado Livre de Energia pode ser saída para quem gasta a partir R$ 5 mil ao mês

Por Natália Olliver | 15/04/2024 14:10
Projeto é voltado a consumidores que gastam a partir de R$ 5 mil por mês (Foto: Arquivo\Campo Grande News)
Projeto é voltado a consumidores que gastam a partir de R$ 5 mil por mês (Foto: Arquivo\Campo Grande News)

Projeto “Escolha inteligente” quer fazer pequenos e médios empreendedores economizarem até 35% na conta de energia. A ação é gratuita e voltada a quem gasta a partir de R$ 5 mil por mês. A redução é possível por meio da migração para o Mercado Livre de Energia, que significa a possibilidade da empresa negociar com o fornecedor e escolher de quem comprar eletricidade.

A campanha é feita pela empresa de energia ECOM, em parceria com a AMAS (Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados). O diretor comercial da companhia, Felipe Sapucahy, explica que em pequenas e médias empresas a conta de luz pode significar até 40% do custo fixo.

“Reduzir essa despesa em um terço já poderia impactar em mais de 10% de redução em seu custo fixo. O Mercado Livre de Energia é desconhecido para a maior parte das pequenas e médias empresas, pois até dezembro do ano passado, o mercado estava aberto somente para grandes indústrias. Em janeiro deste ano, com a abertura do mercado para qualquer empresa que consuma em alta tensão, a solução pôde ser oferecida para elas.”

Para o diretor, ter o poder de comprar energia no Mercado Livre de Energia impacta diretamente na longevidade dos negócios. Essa é a primeira vez que a empresa leva a ação à capital sul-mato-grossense. Felipe acrescenta que o maior empecilho das empresas é o desconhecimento sobre a possibilidade.

“O Mercado Livre de Energia, ainda que esteja ganhando popularidade, ainda é relativamente desconhecido pelo consumidor. A região de Campo Grande, por exemplo, possui grande potencial migratório, uma demanda volumosa, mas as informações corretas sobre a solução não são veiculadas o suficiente e, ainda, há escassez de opções ligadas a este tipo de serviço.”

Segundo dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), em Mato Grosso do Sul, somente 180 consumidores de 1,4 mil unidades aptas demonstraram interesse em mudar o contrato convencional. Por hora, o projeto é voltado apenas à Capital.

Como mudar - Para alterar o contrato de energia para o Mercado Livre, através do projeto, é preciso que o empreendedor compartilhe as últimas faturas de energia da empresa para estudo de viabilidade. Depois, é necessário realizar uma procuração, seguida das demais etapas do processo burocrático junto a comercializadora.  Os consumidores que se enquadram nos pré-requisitos podem fazer avaliação gratuito neste link.

O que é - No Brasil, há duas maneiras de os consumidores comprarem energia: a mais conhecida é a ACR (Ambiente de Contratação Regulada), que possui as tradicionais concessionárias que fornecem a energia. Neste modelo, o preço é regulado e, além de o consumidor pagar pelo seu consumo, também paga taxas e o valor de diferentes bandeiras tarifárias.

O diretor da Ecom explica que a migração para o Mercado Livre de Energia é uma simples mudança contratual, que não demanda investimentos iniciais, obras ou alterações na infraestrutura.

“Hoje, as empresas que possuem a conta de luz em alta tensão, ou seja, fazem parte do Grupo A, têm o benefício de poder 'comprar' a energia consumida de outros fornecedores, fora da concessionária local. Esse ato de trocar a fonte tradicional por uma fonte alternativa de consumo é, basicamente, como funciona o processo de migração para o Mercado Livre de Energia. Isso permite que as organizações tenham mais saúde financeira e possam investir em outros setores, fomentando o seu crescimento.”

*Matéria alterada dia 17/04, para correção de informação.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias