A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

11/07/2011 11:05

Antes de redução da alíquota do ICMS, Estado quer discutir ressarcimento

Aline dos Santos
Segundo Lorenzetto, unificação de alíquota em 4% é apenas uma proposta. (Foto: João Garrigó)Segundo Lorenzetto, unificação de alíquota em 4% é apenas uma proposta. (Foto: João Garrigó)

A proposta de unificar a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em 4% nas operações interestaduais só terá aval de Mato Grosso do Sul e dos demais Estados da região Centro-Oeste quando o governo federal apresentar os fundos de ressarcimento (para compensar as perdas) e desenvolvimento.

“Pedimos que o governo coloque na mesa o que tem para gastar com os fundos”, salienta o secretário estadual de Fazenda, Mário Sérgio Lorenzetto, que participou de reunião do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) na última sexta-feira em Curitiba (PR).

De acordo com ele, ao contrário do que foi divulgado, a alíquota do ICMS não foi unificada em 4%. “Durante a reunião com ministro interino da Fazenda, Nelson Barbosa, houve uma grande quantidade de propostas”, afirma.

Porém, a questão ainda voltará a ser discutida em uma reunião extraordinária, que será realizada em Brasília. O novo debate deve ser antes de setembro, quando o Confaz já tem reunião agendada em Manaus.

A alíquota do ICMS em 4% é defendida pelo governo federal. Mas, em contrapartida, os Estados cobram questões como resolução da Lei Kandir, royalties do pré-sal, dívida e repasse do FPE (Fundo de Participação dos Estados).

Atualmente, a alíquota nas operações interestaduais é 7% para os Estados do Norte e Nordeste e 12% para os demais. Quando aprovada, a redução no ICMS precisará do aval do Senado.

Caso passa a vigora a alíquota de 4%, Mato Grosso do sul terá perda anual de até R$ 1 bilhão.

Outra questão tributária que ainda será resolvida pelo Confaz é sobre a alíquota do comércio eletrônico. Neste ano, o Estado aderiu a um protocolo em que o ICMS é pago tanto no Estado de origem quanto no de destino.

De acordo com Lorenzetto, Tocantins foi o 20º a aderir à modalidade de cobrança. Rio Grande do Sul também deve participar. Desta forma, 21 Estados devem travar a disputa com São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Os “grandes” do comércio pela internet se negam a participar do acordo, para não perder arrecadação.

Confaz decide unificar ICMS de operações interestaduais em 4% a partir de 2012
Os 27 secretários de Fazenda dos estados e do Distrito Federal decidiram unificar em 4% a alíquota do Imposto sobre Circulação de mercadorias e Servi...
Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...


DIVIDIR O ICMS DO GÁS BOLIVIANO COM SÃO PAULO (QUE EFETIVAMENTE USA O GÁS) O SECRETÁRIO NAO QUER NÃO NÉ???????????????
 
Manoel Joaquim Ferreira em 11/07/2011 11:52:19
Nossa mãe, já sofremos pouco né, com a pressão do ICMS que é recolhido pelo Estado, imagina se cair. Acabam com nós de vez.
 
Eder Jefferson em 11/07/2011 01:35:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions