ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 22º

Economia

Após oito meses, Amaszonas desiste de voo de Campo Grande a Assunção

Baixa ocupação e reestruturação da empresa impactaram fim da rota

Kleber Clajus | 20/08/2018 15:07
Companhia operava com aeronaves Bombardier CRJ-200, com capacidade para 50 passageiros (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Companhia operava com aeronaves Bombardier CRJ-200, com capacidade para 50 passageiros (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Depois de oito meses, a companhia aérea paraguaia Amaszonas suspendeu as operações em Mato Grosso do Sul. Para quem frequenta o Aeroporto Internacional de Campo Grande os guichês vazios e ausência do voo nos monitores já era realidade antes de 1º de agosto, data que marcou o fim das operações junto a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), responsável pela administração do terminal da Capital.

A promessa de conexões mais baratas para destinos americanos e europeus, por meio de hub na capital paraguaia Assunção, não decolou entre os sul-mato-grossenses. Dados da Anac (Agência Nacional de Aviação), disponíveis de dezembro a junho, atestaram a baixa ocupação nas aeronaves Bombardier CRJ-200, com capacidade para 50 passageiros.

Em fevereiro, quando a companhia realizou doze decolagens, embarcaram 74 pessoas, ou seja cerca de seis passageiros por voo. Já no mês de junho, foram sete partidas levando 73. Com isso, a ocupação média durante as operações ficou em 18,89%, como informado pela empresa a Anac. Houve, inclusive, interesse em uma rota alternativa entre Campo Grande, Pedro Juan Caballero e Assunção que permaneceu somente nos planos da companhia.

No período, a Amaszonas Paraguay também passou a enfrentar uma reestruturação depois de se desvincular de grupo boliviano proprietário da marca. Assim, cancelou rota para Porto Alegre e manteve operações em São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro (Galeão) e Curitiba. 

Nilde Brum, titular da Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo), explicou que essa suspensão de voos da aérea paraguaia é perda significativa, quando Campo Grande busca se fortalecer como centro de eventos e negócios. Em contrapartida, o município e seu trade turístico articulam-se junto ao governo estadual para melhorar a qualidade e quantidade de voos, incluindo na equação concessão de eventual incentivo fiscal no querosene de aviação.

Nos siga no Google Notícias