ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 

Economia

Custo alto pode ter esvaziado disputa por obra na Três Barras

Sindicato que representa construtoras avalia que Poder Público não dimensiona corretamente valor real

Por Adriel Mattos | 05/07/2022 11:56
Prefeitura vai relançar edital para reordenamento viário da Avenida Três Barras. (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Prefeitura vai relançar edital para reordenamento viário da Avenida Três Barras. (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

O custo dos materiais de construção e preços considerados defasados de licitações pode ter desinteressado empresas a concorrência pública para execução do projeto de reordenamento viário da rotatória nas avenidas Três Barras e José Nogueira Vieira, além das ruas Marquês de Lavradio, Domingos Jorge Velho, Manoel da Nóbrega e Miguel Sutil. A prefeitura declarou a licitação deserta nesta terça-feira (5).

A falta de propostas vem sendo cada vez mais frequente. Em maio deste ano, por exemplo, a prefeitura relançou o edital para reforma do Teatro José Octávio Guizzo, no Paço Municipal. O serviço está orçado em R$ 1 milhão, o que representa 51,3% mais caro que a planilha inicial.

No ano passado, o governo de Mato Grosso do Sul lançou quatro concorrências para contratar uma empresa que concluiu e colocou em funcionamento o SSV (Sistema de Suporte à Vida) do Bioparque Pantanal. Não houve interessados nas três tentativas anteriores.

Para o secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, o Poder Público está limitado por lei de acompanhar as altas no custo da construção. “Os preços vêm subindo muito, os derivados do petróleo também, o asfalto é um deles, assim como o diesel. O Poder Público fica engessado, só podemos dar um reajuste anual”, comentou.

Fiorese disse que o município vai refazer a planilha e lançar nova licitação, o que não tem prazo, mas deve acontecer até o fim deste ano. “Vamos atualizar o orçamento. O governo do Estado está bancando parte da obra, mas essa diferença vai ser por conta do município”, explicou.

O governo do Estado vai repassar por meio de convênio R$ 994,7 mil para a prefeitura executar a obra, que entrará com R$ 750 mil. No total, o investimento é de R$ 1,8 milhão.

“Cliente ruim” – O presidente do Sinduscon/MS (Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado de Mato Grosso do Sul), Amarildo Melo, concordou que o custo da construção subiu, mas acredita que o Poder Público erra ao limitar o preço de obras.

“Esse é um problema generalizado, é nacional. O governo do Estado também passa por isso, são várias licitações desertas. O que acontece é que o Poder Público coloca um preço de referência, a Lei de Licitações não fala de valor máximo e mínimo, aí é pedir para ter problema”, pontuou.

Por isso, empresas preferem continuar em serviços privados já que prefeituras, estados e a União não seguem os preços de mercado. “O Poder Público não é um bom cliente, erroneamente limita preços. Até paga em dia, mas é uma fiscalização pesada, porque eles são obrigados a ficar em cima. E o empresário acaba tendo que optar pelo serviço privado”, diz Melo.

Ainda conforme o presidente do Sinduscon, o valor de R$ 1,8 milhão é até atrativo, mas o custo pode não ter sido avaliado conforme o mercado. “É um valor atrativo, mas o preço não deve estar bom pelo mercado. O Poder Público pode reequilibrar o contrato, isso aconteceu na pandemia. Mas o empresário não pode tirar o bolso o aumento no preço do aço, por exemplo, no meio da obra. No mercado, quem não se adequa aos custos, não trabalha”, finalizou.

Nos siga no Google Notícias